Para AGAS salvaguardas do vinho são perigosas
O presidente Antonio Cesa Lngo da AGAS, em seu discurso no evento de premiação dos supermercados gaúchos -Ranking Agas 2011, realizado nesta quarta-feira, dia 11 no hotel Deville em Porto Alegre defendeu o apoio a indústria, elogiou o plano de incentivos anunciando na semana passada pelo governo federal, ressalvando que o plano deveria contemplar todos os setores industriais, condenou a intenção do repasse do aumento de tributos da indústria para o comércio, comentou sobre os custos de energia elétrica e reiterou o trabalho da Agas para que o governo do Estado volte a firmar o convenio para creditação do ICMS da energia elétrica, informando que no setor paga 25% de ICMS sobre uma energia que é a mais cara do mundo. O presidente defendeu ainda, no caso da energia, livre escolha da fornecedora. Longo mencionou também a necessidade de simplificação do manual do ICMS apontando distorções incomprensíveis. Sobre o vinho, Antônio Longo declarou apoio a indústria vinícola nacional defendendo a desoneração da produção nacional, mas deixando claro não apoiar as salvaguardas para o vinho por considerar perigoso o precedente para que outros países fechem as portas para o produto brasileiro.

A propósito sobre vinho o Instituto de pesquisas AC Nilesen revelou em pesquisa sobre o comportamento do consumidor gaúcho de que no item "cesta de bebidas", o vinho é a bebida mais adquirida pelos gaúchos nos supermercados. Em 2011 o faturamento dos supermercados nesse item cresceu 23% e as vendas 43%. Bom para todos!

Comentários