Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro recebe alta e deixa hospital

O candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) recebeu alta às 10h deste sábado (29) após 23 dias internado. Ele estava internado no Hospital Israelita Albert Einstein, na Zona Sul de São Paulo, desde 7 de setembro, um dia após sofrer uma facada no abdômen durante ato de campanha e passar por cirurgia em Juiz de Fora (MG). Ele precisou passar por duas cirurgias desde então.

Bolsonaro saiu do hospital às 13h45 rumo ao Aeroporto de Congonhas, onde embarcou para o Rio de Janeiro, às 15h45, sob vaias e aplausos. No final da tarde, ele já estava em sua casa na capital fluminense.

Segundo informações da Folha, Bolsonaro (PSL) e sua equipe chegaram em carros da Polícia Federal e foram os últimos a embarcar, sob forte esquema de segurança.

A presença do deputado federal no avião provocou tumultos, gritos de apoio ("mito" e "ele sim") e de protesto ("fascista", "lixo" e "ele não") e a desistência de dois passageiros, que não quiseram viajar com Bolsonaro. Houve ainda vaias e aplausos. A confusão atrasou a decolagem em 20 minutos.

Quando a informação de que o candidato estaria no voo começou a circular, alguns passageiros passaram a reclamar em voz alta ou a sacar celulares para filmar a movimentação na entrada da aeronave.

Uma senhora que brigou com comissários de bordo para não deixar sua poltrona, na segunda fileira, passou a comemorar e gritar que ficaria até "na cozinha" para que Bolsonaro entrasse no avião.

Quando isso ocorreu, parte dos passageiros gritou repetidamente "mito", alcunha pela qual ele ficou conhecido entre apoiadores, e outra parte se manifestou dizendo que "ele não", slogan do movimento que protesta contra ele em diversas cidades brasileiras nesse sábado contra o candidato.

Um passageiro, mais exaltado, gritou ironicamente "viva a tortura" para apoiadores do presidenciável, que é capitão da reserva do Exército. "Viva o PT", rebateu um oponente.

Durante o bate-boca, o passageiro contrário a Bolsonaro acrescentou "ignorância" e "ditadura militar" aos seus "vivas".

"Vai lá conversar com seu ídolo em Curitiba", disse o apoiador de Bolsonaro citando a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). "Gente, respeita a opinião dos outros", interveio uma mulher.

Bastante irritado, um homem que estava sentado na poltrona 8F disse que estar "torcendo para o avião cair" com Bolsonaro dentro. "Moço, não fala isso não", respondeu uma mulher, que não o conhecia. O passageiro insistiu: "Estou quase saltando do avião, credo".

Não tardou muito e ele perguntou a uma aeromoça se podia desistir do voo, o que lhe foi permitido.

Durante o voo, ele deu uma breve entrevista a uma repórter da TV Globo. Em sua conta no Twitter, Bolsonaro escreveu: "Obrigado a todos pelas manifestações de carinho que pude ver no percurso de volta e em todo Brasil!".

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.