Pular para o conteúdo principal

Afinal, o que é melhor: dólar alto ou baixo?

O ministro da Economia, Paulo Guedes
A valorização do dólar, que nesta quarta-feira, 12, superou R$ 4,35 e voltou a bater recorde, decorre da combinação de juros baixos e contenção do gasto público, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo ele, a alta na moeda norte-americana indica que Brasil está entrando num novo modelo, que estimula a recuperação da indústria, mesmo desagradando a rentistas e a turistas brasileiros no exterior. Mas afinal, dólar alto é bom ou ruim?

A primeira coisa que pensamos é que o dólar valorizado é bom para a economia nacional, pois o aumento das exportações ajuda a equilibrar a balança comercial. Isso é verdade em relação às empresas exportadoras que, por terem custos em reais e receitas em dólar, se beneficiam com a alta da moeda norte-americana.

Com os produtos importados mais caros, itens nacionais ganham força, incentivando o mercado interno e, isso, de certa maneira é bom, pois aumenta a atividade industrial, gerando mais empregos.

Mas se é bom por um lado, por outro pode causar aumento na inflação. Quando o dólar está baixo, a importação de produtos ajuda a segurar os preços, mas quando é o Real que perde força, a maior procura por produtos nacionais causa aumento de preços.

Outro aspecto negativo é que com o dólar alto, as indústrias encontram dificuldades para importar matéria-prima utilizada na fabricação de bens duráveis e equipamentos eletrônicos, que acabam também ficando mais caros. Muitas matérias-primas importadas, como trigo (grande parte da farinha de trigo usada no Brasil é importada de Argentina e EUA.), gás e gasolina, com um preço mais caro para importação, provocam um aumento do preço de itens básicos como pão, macarrão e combustíveis. E a partir do momento que ocorre alta nos combustíveis, o processo produtivo como um todo é afetado, causando inflação.

O dólar alto também influencia na bolsa de valores favorecendo investimentos externos no país. Quando os investidores estrangeiros percebem que o preço das ações de empresas brasileiras com capacidade de crescimento e valorização está barato, investem nessas empresas injetando a moeda americana no mercado. Sendo assim, a queda do real frente ao dólar transforma as ações brasileiras em um negócio melhor para os investidores.
Quando a cotação do dólar baixa, os favorecidos são os importadores, que compram mercadorias em dólar para revender em real, obtendo um lucro maior. Neste cenário de dólar valendo menos, a indústria local também se beneficia podendo comprar matéria prima mais em conta. Com a concorrência dos produtos importados mais baratos e matéria prima mais acessível, o preço do produto nacional cai e segura a inflação.

Mas por outro lado, empresas exportadoras perdem mercado porque com o Real valorizado aumenta o preço dos produtos brasileiros no exterior.

Para quem quer viajar para o exterior, o melhor cenário é quando a cotação do dólar está em baixa. Com um maior poder de compra da moeda brasileira no exterior, as passagens internacionais ficam mais baratas assim como hospedagens, alimentação e passeios.

Por outro lado, quando o dólar se recupera frente ao real, a tendência é de que os brasileiros adiem a viagem para o exterior e vejam com melhores olhos os destinos internos. Quando o turista viaja no próprio país, gasta dinheiro com empresas brasileiras. A valorização do dólar também aumenta o desembarque de turistas estrangeiros no país, que injetam dinheiro na economia brasileira.
Mas então, qual a melhor cotação do dólar para a economia do país?

A curto prazo alguns setores são beneficiados com a alta do dólar, mas no médio e longo prazo, todos perdem, pois isso ocorre porque a economia está enfraquecida. Por outro lado, o dólar valer muito pouco frente ao Real também é uma situação que não representa estabilidade.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Passou no Senado e agora foi para a Câmara Federal o projeto que proíbe que companhias aéreas cobrem pela marcação antecipada de assento em aeronaves. O conteúdo da matéria foi exposto pelo senador Jorge Viana (PT-AC) durante a Ordem do Dia. Ele afirmou que a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), responsável pelo setor, estava despreocupada com a cobrança. A proposta, de autoria do senador Reguffe (sem partido-DF), foi aprovada em votação simbólica. Se for aprovado pelos deputados e sancionado pela Presidência, será obrigatória a marcação gratuita. Caso a regra não seja cumprida, uma cobrança de multa será realizada. Neste ano, as companhias aéreas Gol, Latam e Azul Linhas Aéreas decidiram cobrar pelo assento. Pelos preços estabelecidos pelas empresas, o serviço chegará a custar R$ 25 para o consumidor.

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.