Petróleo e coronavírus, as causas do agito nas bolsa mundiais

Resultado de imagem para bolsas derretem opiniao
A histórica queda dos preços do petróleo e o temor de uma desaceleração generalizada da economia pelo coronavírus e pelo petróleo arrastaram nesta segunda-feira as Bolsas, com quedas expressivas em todo o planeta.

O Ibovespa fechou em queda de mais de 12% . As ações da Petrobras tiveram baixas em torno de 28%. A baixa foi motivada pelo fracasso no acordo para redução na produção da commodity entre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e a Rússia. A Arábia Saudita anunciou já no sábado que praticará descontos de 20% no preço do barril. Perto do fim da sessão, a Rússia disse estar pronta para suportar uma guerra de petróleo com os sauditas por até uma década. O barril do petróleo tipo Brent – usado como referência pela Petrobras – desabou 24,1% a US$ 34,36. Já o WTI despencou 25,07% a US$ 30,93.

Nesta terça-feira a tendência é de que as bolsa recuperem parte das perdas. Economistas dizem que o país precisa aprovar as reformas para sinalizar ao mercado mais segurança e tranquilidade. O ministro da economia Paulo Guedes disse que vai enviar as reformas em breve. O duro é saber o que vai acontecer com as ações. O dilema viciante daqueles que operam todos os dias na bolsa.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal