Pular para o conteúdo principal

Delação de Antonio Palocci põe TV Globo na mira da Lava Jato



Com uma reportagem de mais de 15 minutos exibida em horário nobre neste domingo, a Record parece ter declarado guerra à rede Globo. O trabalho, exibido no programa "Domingo Espetacular" relata sobre uma série de negociatas da emissora carioca, incluindo um milionário esquema de evasão de divisas e sonegação de impostos durante a Copa do Mundo de 2002. O ponto de partida da reportagem é uma suposta delação negociada pelo ex-ministro Antonio Palocci. A reportagem da Record mostra como a Globo se beneficiou de um esquema de sonegação fiscal, usou empresas de fachada em paraísos fiscais e recebeu uma série de benesses federais. De acordo a reportagem, a televisão da família Marinho também estaria agindo para impedir a concretização da delação de Palocci. A mulher de Palocci, Margareth, estaria incentivando-o a contar tudo que sabe. Recentemente ele trocou de advogados e as notícias de que o ex-ministro pode comprometer a TV Globo ganhou força. Segundo o jornalista Reinaldo Azevedo, Palocci promete contar tudo que sabe. No depoimento em abril, Palocci contou a Moro sobre empresas de grande porto do Brasil que estavam para entrar em falência e que poderia ser de grande repercussão. Uma dessas empresas de comunicação teve problemas sérios nesse período. No início dos anos 2000, a TV Globo quase quebrou por causa de maus negócios ligados à Copa do Mundo de 2002. Bilhões de reais ingressam nos cofres da Globo por causa do mundial, parceria da emissora com a Fifa há quase 20 anos. Segundo a Receita Federal, a Globo fez uma operação ilegal nesta época utilizando uma empresa de nome Empire, para comprar os direitos de transmissão dos jogos. 

A investigação sobre o caso começou em 2005 e só foi revelada em 2013 pelo jornalista Miguel do Rosário. Usando “empresas de papel”, a Globo enviou dinheiro para o Uruguai, depois para Caribe, e também para a Holanda. Lá, a emissora comprou direitos de transmissão para a Copa e transferiu para a Empire, nas ilhas virgens Britânicas, local conhecido por ser esconderijo de dinheiro sujo. Segundo a Receita, a Globo simulou investimentos para criar a Empire, como se fosse empresa de verdade, mas era só fachada. Depois da Copa, a empresa foi dissolvida e seus bens foram transferidos para a Globo, que deixou de pagar R$ 170 milhões de impostos no Brasil. Quando a história veio à tona, na véspera de o processo ser remetido ao Ministério Público Federal, a servidora Cristina Maris Ribeiro furtou os documentos e depois foi condenada a quatro anos de prisão (dos quais só passou uma semana na cadeia). “Ao não chegar no MP, não se torna a investigação de ordem criminal, o que poderia ser um constrangimento muito grande para a família Marinho, inclusive política”, afirma o jornalista Miguel do Rosário. Anos depois, em 2014, a Globo se beneficiou da lei 12.996 para refinanciar sua dívida, que já estava em R$ 1 bilhão – mas também deixou de pagar outro R$ 1 bilhão em multas.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Passou no Senado e agora foi para a Câmara Federal o projeto que proíbe que companhias aéreas cobrem pela marcação antecipada de assento em aeronaves. O conteúdo da matéria foi exposto pelo senador Jorge Viana (PT-AC) durante a Ordem do Dia. Ele afirmou que a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), responsável pelo setor, estava despreocupada com a cobrança. A proposta, de autoria do senador Reguffe (sem partido-DF), foi aprovada em votação simbólica. Se for aprovado pelos deputados e sancionado pela Presidência, será obrigatória a marcação gratuita. Caso a regra não seja cumprida, uma cobrança de multa será realizada. Neste ano, as companhias aéreas Gol, Latam e Azul Linhas Aéreas decidiram cobrar pelo assento. Pelos preços estabelecidos pelas empresas, o serviço chegará a custar R$ 25 para o consumidor.

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.