Pular para o conteúdo principal

Saída dos ministros vai dar a Temer mais poder de fogo para negociar a reforma

Reportagem da Folha neste domingo informa que apesar da expectativa de uma substituição gradual de ministros que vão se candidatar nas próximas eleições, pelo menos metade deles quer ficar em seus cargos de primeiro escalão até a data-limite, 7 de abril.

Dos 14 ministros que estudam participar da disputa deste ano, 7 prometem ficar em suas pastas até essa data. Três deles dizem que ainda não definiram quando deixarão seus cargos e dois afirmam que não decidiram se vão se candidatar. Outros dois não responderam aos questionamentos da Folha.

O presidente Michel Temer passou a trabalhar com a possibilidade de antecipar as trocas do primeiro escalão depois que dois ministros pediram demissão em uma semana: Ronaldo Nogueira (Trabalho) e Marcos Pereira (Indústria e Comércio Exterior). Ou seja, Temer terá no bolso várias cartas (Ministérios) para negociar com os partidos e deputados que ainda não estão ao seu lado na aprovação da reforma da previdência.

Parte dos ministros quer ficar no cargo o maior tempo possível para poder entregar obras que podem impulsionar suas candidaturas. Alguns desses projetos ainda não estão concluídos e, portanto, eles resistem em deixar os ministérios agora.

Procurados pela Folha, disseram que deixarão o cargo em abril os ministros Leonardo Picciani (Esporte), Osmar Terra (Desenvolvimento Social), Marx Beltrão (Turismo), Fernando Coelho Filho (Minas e Energia), Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Ricardo Barros (Saúde) e Blairo Maggi (Agricultura).

Mesmo ministros que não definiram uma data de saída apontam que podem deixar o cargo apenas em abril, embora digam que podem antecipar o cronograma.

"Não estabeleci nenhum prazo. Evidentemente, tenho o prazo da lei", disse Mendonça Filho (Educação).

*

MINISTROS QUE PODEM DEIXAR O GOVERNO TEMER

Leonardo Picciani (MDB)
Esporte
Abril
"A princípio, sairei no fim do prazo, ou seja, em abril"

Osmar Terra (MDB)
Desenvolvimento Social
Abril

Marx Beltrão (MDB)
Turismo
Abril
Segundo assessoria, vai seguir prazo de desincompatibilização [abril]

Helder Barbalho (MDB)
Integração Nacional
Indefinido

Aloysio Nunes (PSDB)
Relações Exteriores
Abril

Ricardo Barros (PP)
Saúde
Abril

Blairo Maggi (PP)
Agricultura
Abril

Mendonça Filho (DEM)
Educação
Indefinido
"Não estabeleci prazo. Evidentemente, tenho o prazo da lei: abril"

Henrique Meirelles (PSD)
Fazenda
Indefinido
"Tenho dito reiteradas vezes que só decidirei em abril"

Gilberto Kassab (PSD)
Ciência, Tecnologia e Comunicações
Indefinido
Segundo assessoria, caso seja candidato, sairá em abril

Raul Jungmann (PPS)
Defesa
Indefinido

Fernando Coelho Filho (Sem partido)
Minas e Energia
Abril
"Depende do presidente, mas se depender de mim, saio em abril"

Maurício Quintella (PR)
Transportes
Não foi localizado

Sarney Filho (PV)
Meio Ambiente
Não foi localizad

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp