Pular para o conteúdo principal

O caso do laranjal é, acima de tudo, a desmoralização da participação feminina na política


Por Helena Chagas
O aspecto mais chocante das denúncias de manipulação das verbas do Fundo Eleitoral – que envolvem sobretudo o PSL mas agora alcançam outros partidos – usando candidatas laranja, não é nem a capacidade dos políticos de driblar a lei, e nem as quantias envolvidas. O caso do laranjal é, acima de tudo, a desmoralização da participação feminina na política.

Ao se deixarem usar pelos partidos, que precisam cumprir tabela e obedecer à lei que estabeleceu cota para candidaturas femininas e para destinação de recursos para elas, as “laranjinhas”, obviamente, buscavam vantagens pessoais e até pagamento – já que ganhar a eleição sempre esteve fora de cogitação.

Com isso, porém, são responsáveis por enorme retrocesso na difícil caminhada das mulheres por mais representatividade e influência na política. Nosso sistema político é tradicionalmente machista, e os números de cadeiras conquistadas nos legislativos por mulheres a cada eleição mostra isso claramente.

Se descontarmos as mulheres, filhas e aparentadas de políticos, são poucas aquelas que se elegem por méritos próprios, a partir de uma carreira política consistente, construída por elas mesmas.

A lei que exige que 30% das candidatas sejam mulheres, e a que destina parte da verba do fundo eleitoral a elas, foi, naturalmente, criada com a melhor das intenções. E não deve ser revogada, porque é o início de um caminho. Está longe, porém, de resolver uma questão que começa dentro de casa, quando cada menina chega da maternidade vestida rosa e cada menino de azul. E que prossegue na educação recebida por cada um e cada uma na família, nas escolas, nas instituições da sociedade.








Já havíamos constatado, com a eleição de Jair Bolsonaro e sua pauta regressiva de costumes, que o caminho será mais longo do que imaginávamos. Na política, nunca contamos mesmo com a parceria de boa parte dos meninos. Hoje em dia, eles andam, em sua maioria, de azul ou de verde, a cor da moda. Mas o que mais dói é constatar que tantas meninas aceitam e gostam de laranja…

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Judicialização da Política

A vontade popular e o voto na urna são soberanos. Retirar do povo o poder de decisões importantes para o rumo de uma nação e do Estado para delegar ao judiciário, poder sem atuação política, é uma ameaça a democracia. Juízes não são eleitos pelo povo. E o povo decidiu! Pois bem, a Justiça Eleitoral cassou a candidatura do prefeito eleito de Bento Gonçalves, Diogo Siqueira (PSDB), e do vice, Amarildo Lucatelli (Progressistas). A decisão, proferida nesta quarta-feira (25), considera que a coligação "Gente que faz Bento" (PSDB/Progressistas/Republicanos) foi beneficiada por divulgações em canais oficiais da administração municipal. A ação havia sido protocolada ainda antes das eleições pela coligação "Bento Unido e Forte", do candidato Alcindo Gabrielli (MDB). A denúncia acusa a atual administração, que apoiou a candidatura de Siqueira, de utilizar o site oficial do município e as redes sociais do prefeito, Guilherme Pasin (Progressistas), para divulgar as ações realiz