Pular para o conteúdo principal

Vereadores de Bento dão exemplo e decidem congelar salários

Câmara de Bento aprova 21 projetos em sessão ordinária - Difusora
Na contramão de muitos municípios brasileiros, a Câmara de Vereadores de Bento Gonçalves, em sessão ordinária realizada na tarde desta segunda-feira, 30, decidiu pelo congelamento dos salários do prefeito, vice-prefeito, secretários municipais e vereadores para a legislatura 2021/2024. Com isso, os vencimentos destes cargos políticos seguem congelados desde 2013.

As propostas de reajuste ou manutenção dos benefícios precisavam ser aprovadas até o final deste mês para ter validade, conforme determina a legislação federal. A decisão é exemplar, ainda mais se considerarmos um grave cenário de crise financeira nas contas públicas que virão pela frente quando a pandemia do coronavírus terminar.

O vencimento para os cargo de prefeito ficará mantido em R$ 18.577,22, para vice R$ 13.004,05 e secretários municipais receberão mensalmente R$ 9.288,61. Para os vereadores, o salário mensal permanecerá em R$ 9.288,61. O presidente da Casa Legislativa receberá, além dos vencimentos, uma verba de representação no valor de R$ 3.715,45. Os valores são brutos. Com os descontos,os valores líquidos são em torno de 20% menores.

A remuneração do vereador sempre foi tema polêmico. Como regra geral, o povo a considera indevida, e esse sentimento se amplia em épocas de baixa do prestígio da classe política. Evidente que numa cidade como Bento Gonçalves, o vereador não pode ser gratuito, pois o exercício do mandato toma todo o seu tempo e, na maioria das vezes, o impede de exercer o seu trabalho anterior à vereança. Por outro lado é difícil, no entanto, medir o valor da remuneração dos secretários municipais, prefeito e vice-prefeito, considerando o tamanho da responsabilidade que eles assumem para gerenciar uma cidade e toda a sua população. Certo é que o trabalho é gigantesco. Logo, salário de vereador, assim como dos cargos do executivo, não é palpável ou discutível, mas sua fixação exige bom senso.

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Está faltando matéria prima para as indústrias moveleiras produzirem

A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) emitiram comunicado conjunto acerca do desabastecimento de painéis de madeira para indústrias e marcenarias. A pandemia provocou paralisação do consumo doméstico da matéria prima, fazendo com que as fornecedoras buscassem o mercado externo. No entanto, com a reabertura do comércio, o ritmo de produção das indústrias de móveis brasileiras cresceu rapidamente. Resultado: Desabastecimento interno. Alta nos preços. Está faltando chapa de MDF e MDP para atender a demanda nacional. A penas no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019, a exportação do MDP cru para a China registrou aumento de 700% e caso muito semelhante ocorreu com os EUA, com alta de mais de 600%. Eis a nota: A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), que representa a indústria de chapas de painéis, em atenção às manifestações de in