Pular para o conteúdo principal

O número de infecções está aumentando mais rapidamente do que nunca, mas muitos países decidiram que este é o momento de aliviar as restrições de bloqueio

Passageiros que vão trabalhar em Gurugram, Índia, na segunda-feira.
Deu no NYtimes, por  Marc Santora

Dois meses atrás, quando havia cerca de um milhão de casos confirmados de coronavírus e a política primordial de sobrevivência estava varrendo o mundo, fechar estava na ordem do dia.

Nesta semana, o número de casos ultrapassou os sete milhões, com 136.000 novas infecções detectadas apenas no último domingo, o maior total em um único dia desde o início da pandemia.

Aterrorizados depois de observar as economias construídas ao longo de décadas se esvairem em questão de semanas, os países parecem estar dizendo, com efeito: Chega. Hora de reabrir.

Para as autoridades de saúde "Não é hora de nenhum país pisar no pedal", alertou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor geral da Organização Mundial da Saúde, em uma entrevista coletiva em Genebra nesta semana. A crise, disse ele, está "longe de terminar".

Embora as taxas de infecção nas cidades mais atingidas nos Estados Unidos e na Europa possam ter diminuído, o vírus permanece profundamente entrelaçado no tecido do mundo. De fato, o pico global de infecção ainda pode demorar meses.

Na ausência de uma vacina ou mesmo de tratamentos eficazes, a única estratégia comprovada contra o coronavírus até o momento foi limitar o contato humano. Cidades de todo o mundo fizeram exatamente isso, colhendo os benefícios à medida que novas infecções diminuíram e, em seguida, levantando cautelosamente as restrições de movimento.

Mas não é assim tão simples.

Em meio à dor econômica, diferente de qualquer coisa vista anteriormente o vírus em si é certamente tudo menos complacente. Agora, está se espalhando exponencialmente em partes do mundo em desenvolvimento, onde os sistemas de saúde frágeis podem em breve ser sobrecarregados se os números continuarem aumentando.

Na terça-feira, o principal especialista em doenças infecciosas dos Estados Unidos, Dr. Anthony S. Fauci, fez uma avaliação sombria - ele descreveu o Covid-19 como seu "pior pesadelo" - e um aviso. "Em um período de quatro meses, devastou o mundo inteiro", disse Fauci. "E ainda não acabou."

Dos 136.000 novos casos relatados no domingo, três quartos deles estavam em apenas 10 países, a maioria nas Américas e no sul da Ásia. Eles incluem Índia, Brasil, México e África do Sul.

A Organização Pan-Americana da Saúde na terça-feira pintou um quadro terrível para a América Latina e o Caribe. A crise, disse a diretora da organização, Dra. Carissa F. Etienne, "levou nossa região ao limite".

Está se espalhando rapidamente em alguns países governados por líderes que estão acostumados a suprimir informações para moldar a narrativa pública.

Na Rússia, Moscou suspendeu seus pedidos de bloqueio nesta semana, mesmo com o número de infecções detectadas continuando a aumentar constantemente.

No Brasil, o governo do presidente Jair Bolsonaro adotou outra abordagem: decidiu parar de relatar o número acumulado do vírus por completo.

E no México, o governo não está relatando centenas, possivelmente milhares, de mortes na Cidade do México . Ele demitiu funcionários ansiosos que registraram mais de três vezes mais mortes na capital do que o governo reconhece publicamente, de acordo com funcionários e dados confidenciais.

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, tem se esforçado para equilibrar uma resposta ao coronavírus com as necessidades econômicas de um país em que mais da metade da população vive mão-a-boca , trabalhando em empregos informais, sem rede de segurança.

Agora, o México está começando a se agitar novamente, à medida que o país reabre gradualmente.

Mesmo alguns países que agiram rapidamente contra o vírus ainda há forte contaminação. Entre eles está a Índia.

"Haverá uma proibição total de sair de suas casas", disse o primeiro-ministro Narendra Modi a seus cidadãos em 24 de março. "Todos os estados, todos os distritos, todas as faixas, todas as cidades estarão trancadas".

A Índia é um país de 1,3 bilhão de habitantes e centenas de milhões de cidadãos estão desamparados, com incontáveis ​​milhões vivendo em áreas urbanas lotadas, com falta de saneamento e fracos serviços de saúde pública.Apesar da ação rápida, o país agora está enfrentando uma forte onda de infecções .Em apenas 24 horas, a Índia relatou 10.000 novos casos, por um período total de pelo menos 266.500 , ultrapassando a Espanha e se tornando um dos cinco países com maior número de casos . Especialistas em saúde pública estão alertando para uma escassez iminente de leitos e médicos.

Manish Sisodia, funcionário do governo de Nova Délhi, alertou que a capital provavelmente terá 500.000 casos de coronavírus até o final de julho, com base na taxa atual de infecção.

Na América Latina, os casos estão aumentando tanto em países que adotaram medidas de isolamento precoce, como Peru e Bolívia, quanto naqueles que ignoraram muitas recomendações públicas, como Brasil e Nicarágua.

Os governos, forçados a escolher entre assistir os cidadãos morrerem pelo vírus ou vê-los morrer de fome, estão afrouxando os bloqueios.

"Vamos dormir sem comer, sem dar nada aos nossos filhos", disse María Camila Salazar, 22, mãe de dois filhos que vive em Medellín, a segunda maior cidade da Colômbia.

Salazar e sua família, como milhões na América Latina, colecionam papelão, vidro e plástico para viver, vendendo-o por quilo. Seus compradores fecharam em meio ao bloqueio do país, assim como ela deu à luz seu segundo filho.

O presidente da Colômbia, Iván Duque, recentemente relaxou as regras de bloqueio, permitindo que as autoridades locais façam a chamada final sobre os regulamentos. O número de casos do país aumentou rapidamente.

Na África do Sul, as autoridades de saúde registraram mais da metade dos casos atuais do país apenas nas últimas duas semanas. Com 51.000 casos confirmados, tem o maior número na África.

Como muitos sul-africanos, eu também fiquei preocupado ao ver esses números continuarem subindo", escreveu o presidente Cyril Ramaphosa em sua carta semanal à nação.

Ainda assim, o país está reabrindo, e a maioria dos membros da força de trabalho da África do Sul voltou ao trabalho.

Parece claro que o manual para retardar a propagação do vírus usado na Europa Ocidental e nos Estados Unidos pode não funcionar em todos os lugares. Sociedades com economias informais simplesmente não podem impor bloqueios sem correr o risco de colapso social.

Mas mesmo os países que fizeram progressos depois de terem sido atingidos com força pela primeira onda do vírus não estão de maneira alguma fora de perigo. As regras de distanciamento social em muitos lugares - e a aderência a elas - permanecem aleatórias, pouco compatíveis com os desejos humanos mais básicos: conectar-se.

*Sameer Yasir contribuiu com reportagem de Nova Délhi e Julie Turkewitz de Bogotá, Colômbia.

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.