Pular para o conteúdo principal

Exportação de vinhos brasileiros cresce 325% para os EUA e China



Os Estados Unidos e a China foram os responsáveis por ampliar a exportação das bebidas em 325%, nos últimos cinco anos, de acordo com um levantamento da Ideal Consulting. A consultoria, especializada em inteligência de mercado, apontou que os espumantes nacionais puxaram o consumo no exterior, ultrapassando até mesmo rótulos de Portugal e do Chile no mercado norte-americano. As exportações dos vinhos e espumantes brasileiros aumentaram 30%, chegando às 6,7 milhões de garrafas, com destaque para as bebidas produzidas no Rio Grande do Sul (90,7% das vendas), São Paulo (22,6%) e Paraná (22,2%).

De acordo com Felipe Galtaroça, CEO da Ideal Consulting, há dois fatores importantes que explicam o bom desempenho dos vinhos e espumantes brasileiros no exterior, como a qualidade da bebida e o trabalho dos produtores junto aos importadores.

“O espumante brasileiro, especialmente, tem se tornado um produto importante em países como os Estados Unidos e a China, que vêm crescendo muito o consumo principalmente pela melhora na qualidade das uvas e nas técnicas de vinificação adotadas nas vinícolas brasileiras”, conta.

O trabalho dos produtores brasileiros em abrir novos mercados com os importadores estrangeiros também é apontado como um dos responsáveis pelo salto de consumo no exterior. Estados Unidos e China são responsáveis por 81,6% das exportações de vinhos e espumantes brasileiros.

Os dados levantados pela Ideal Consulting encontram semelhanças com os apurados pela União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra), que aponta um crescimento de 29,85% para os vinhos finos e 12,29 para os espumantes. Para o presidente da entidade, Deunir Argenta, embora o volume exportado ainda seja pequeno, já demonstra que a bebida nacional está sendo reconhecida pelo mundo.

“O mundo está enxergando a melhora na qualidade das nossas uvas e da vinificação, melhoramos muito nos últimos anos. As vinícolas brasileiras têm hoje a mesma técnica e equipamentos utilizados pelos europeus, e isso está sendo reconhecido”, explica.

A isso se soma a participação cada vez maior dos produtores brasileiros nas feiras internacionais de promoção dos vinhos, abrindo novos mercados e chegando até mesmo ao Reino Unido, segundo a Uvibra.

Nos dados consolidados, foram 4,4 milhões de litros de vinhos finos e 771 mil de espumantes exportados em 2020. Já o suco de uva teve uma queda expressiva de 43,13%, passando de 2,4 milhões para 1,3 milhão, segundo a Uvibra.

O ano de 2021 também deve ser de novos recordes de produção e de exportação dos vinhos brasileiros. A safra está estimada em 800 mil toneladas só no Rio Grande do Sul, responsável por 90% da bebida produzida no país.

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Está faltando matéria prima para as indústrias moveleiras produzirem

A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) emitiram comunicado conjunto acerca do desabastecimento de painéis de madeira para indústrias e marcenarias. A pandemia provocou paralisação do consumo doméstico da matéria prima, fazendo com que as fornecedoras buscassem o mercado externo. No entanto, com a reabertura do comércio, o ritmo de produção das indústrias de móveis brasileiras cresceu rapidamente. Resultado: Desabastecimento interno. Alta nos preços. Está faltando chapa de MDF e MDP para atender a demanda nacional. A penas no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019, a exportação do MDP cru para a China registrou aumento de 700% e caso muito semelhante ocorreu com os EUA, com alta de mais de 600%. Eis a nota: A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), que representa a indústria de chapas de painéis, em atenção às manifestações de in