Semana termina com a maior crise política da história brasileira

Já li, analisei e busquei entender uma série de comentários sobre a polêmica lista de Fachin, composta por dezenas de autoridades que serão investigadas por corrupção no Supremo Tribunal Federal. Trata-se de um processo que expõe todo o sistema político-partidário do País. Juridicamente, estar na lista significa que tanto a Procuradoria Geral da República quanto o relator da Lava Jato, Edson Fachin, consideraram que há indícios para investigar a participação dos citados em esquemas de corrupção. Ao incluir alguém na lista, Fachin está autorizando o procurador-geral a investigá-lo. Nesta fase, acusação busca novas provas para subsidiar uma eventual denúncia. Se o STF aceitar a denúncia, o citado vira réu e vai a julgamento. A lista, baseada nas delações de 78 executivos e ex-executivos da Odebrecht, é ampla e seus desdobramentos colocam o sistema político-partidário no fundo do poço. O sentimento nacional é de que não escapou ninguém, que todos os políticos brasileiros graduados são desonestos. Mas é preciso cuidado. O julgamento antecipado da opinião pública é mais devastador ainda. Acho que novamente a divulgação dos nomes não poderia ter sido feita em bloco, misturando situações diferentes, algumas até já imunes a condenações. Um erro que irreparável. Tem políticos que receberam dinheiro sujo do partido, sem mesmo saber quem era o financiador. Talvez tenham sabido meses depois de terem sido eleitos. Mas a época da eleição não. Não cabe no mesmo balaio quem recebeu e escondeu dinheiro no Exterior, embolsou propina no esquema da Petrobras, com quem recebeu ajuda de empreiteira, sem fonte tendo declarado, oficialmente, em suas prestações de contas à justiça eleitoral. Misturaram gente que será inocentada nas investigações com aqueles que merecem penas longas de prisão, bandidos de fato. Um prejuízo político irreversível. Exemplo:. O caso do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Citam apoio à campanha dele de 1994, há 23 anos. Impossível de se apurar e completamente impossível de se punir, pois são crimes amplamente prescritos – se tiverem ocorrido. A denúncia serviu apenas para melar mais o ambiente político e para dar cobertura a ex-presidentes recentes, como Lula e Dilma, que momentaneamente passam a ser citados ao lado de FHC.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal