Vinhos envelhecidos no fundo do mar

Um grupo de sete produtores de vinho do sul de Portugal pôs em prática uma inovadora técnica, a de envelhecer o vinho no fundo do mar do litoral do país e, como resultado, melhorou o sabor e o aroma do produto. Isto foi comprovado ao se extrair um total de 700 garrafas  que tinham sido depositadas a 17 metros de profundidade na Baía de Sines. Após sete meses no fundo do mar, na semana passada as garrafas foram retiradas para serem entregues às tripulações dos veleiros que participarão na regata Tall Ships 2017, que fará escala em Sines entre os dias 28 de abril e 1º de maio. A iniciativa foi implementada pela Associação de Produtores de Vinhos da Costa do Alentejo em setembro do ano passado, após a última vindima. Os vinhos envelhecidos no fundo do mar, segundo o grupo de produtores, têm a vantagem de que amadurecem a uma temperatura muito constante, que no caso da Baía de Sines ronda os 15 graus. Para seu perfeito envelhecimento, as garrafas de vinho, tanto de tinto como de branco, são seladas com cera especial e colocadas na vertical sobre estruturas metálicas para impedir que sejam arrastadas pelo mar.Ao longo dos anos, se pôde comprovar que as garrafas de vinho que tinham sido alojadas no fundo do mar por causa dos naufrágios tinham experimentado excelentes melhorias, chegando a valer muito dinheiro em diferentes leilões. Informações do G1.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal