A pergunta é: Quem será que Gilmar Mendes irá soltar hoje?

Em uma semana, ele mandou soltar nove presos da Lava-Jato no Rio de Janeiro e tomou uma decisão contra a prisão em segunda instância, uma novidade jurídica que, aprovada no ano passado, deu um tremendo impulso às investigações.

A última de Gilmar Mendes, ministro do STF e do TSE foi mandar soltar o ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho. Gilmar concedeu o habeas corpus como ministro do TSE. Na decisão, Gilmar afirma que não verificou a "presença dos requisitos autorizadores da prisão preventiva", e que, na decisão que mandou prender o ex-governador, o TRE não "indica, concretamente, nenhuma conduta atual do paciente (Garotinho) que revele, minimamente, a tentativa de afrontar a garantia da ordem pública ou econômica, a conveniência da instrução criminal ou assegurar a aplicação da lei penal".

De fato, Gilmar Mendes anda soltando muita gente. No sábado (19) mandou soltar Jacob Barata Filho e o ex- Lélis Teixeira, Cláudio Sá Garcia de Freitas, Marcelo Traça Gonçalves, Enéas da Silva Bueno e Octacílio de Almeida Monteiro, todos envolvidos no esquema de corrupção com o transporte de passageiros e governo no Rio. Gilmar mandou soltar a mulher do Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo

Gilmar também já soltou o deputado estadual do Mato Grosso, maior ficha suja do país com 100 inquéritos de corrupção, José Riva. Soltou o médico estuprador Roger Abdelmassih, Celso Pita e Naji Nahas, Daniel Dantas, Marcos Valério e por aí vai.

Mas que fique claro. O ministro age segundo suas convicções. Não está fazendo nada de ilegal ou irregular, apenas dando sua interpretação pessoal às leis e aos códigos, o que é uma prerrogativa soberana do juiz, o que para a população soa como injustiça.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal