Chilenos aumentam verba para promover vinho no Brasil

Imagem relacionada

Mas o Chile quer mais. Em passagem pelo Brasil, Angélica Valenzuela, diretora comercial da Wines of Chile, contou que a entidade está aumentando, significativamente, o montante de recursos destinados a promover o vinho chileno em solo brasileiro. “No ano passado, o Brasil representava 8% de nossos recursos, neste ano, serão 15%”, conta ela. Ou seja, o Chile mira o mercado brasileiro para vender mais seus vinhos. Não seria uma ameaça para o vinho nacional se a competitividade estivesse garantida aos brasileiros, porque sob o ponto de vista da qualidade, nosso produto tem bom nível, mas o problema é a tributação.

Atualmente, no ranking dos vinhos importados para o Brasil, o Chile está na liderança absoluta há mais de dez anos. Seu recorde de participação foi em 2016, quando os rótulos do país andino representavam 49,2% de mercado de vinhos importados, em volume. Em 2018, os brancos e tintos do país andino corresponderam a 46% do total das nossas importações, o que equivale a 67 milhões de garrafas. Portugal e Argentina, que se revezam entre o segundo e o terceiro lugar nos últimos anos, não chegam a 20% cada de participação neste segmento

Na estratégia do Wines of Chile, entidade privada que reúne 85 vinícolas do país, o Brasil está entre os três países prioritários. Nosso país está junto com China e Estados Unidos no destino das ações e dos recursos chilenos para a promoção do seu vinho, apesar de ocupar a quinta posição entre os maiores mercados para os brancos e tintos do país.

Nesta nova fase, a estratégia não é apenas crescer por crescer e ganhar participação de mercado. O Chile quer também e, principalmente, vender os seus vinhos mais caros em nosso mercado. Atualmente, a média de preço do vinho importado é de US$ 27,90 FOB, na caixa de 12 garrafas, que entra no Brasil. Mas se analisado apenas o vinho chileno, esta média é de US$ 26,50. “Temos vinhos bons e de maior agregado, que o brasileiro precisa conhecer”, afirma a executiva. ( Suzana Barelli Istoé dinheiro)

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal