Acordo Mercosul e União Européia trará prejuízos para o vinho brasileiro

Resultado de imagem para vinhos importados gondola
No Brasil, a cada dez garrafas de vinhos finos consumidas, nove são importadas. Os dados são do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin). É um dado muito preocupante para o setor diante do novo acordo Mercosul e União Européia, assinada pelo presidente Bolsonaro.

Atualmente o maior consumo de vinhos estrangeiros pelos brasileiros é do Chile. Mas com o acordo, os vinhos europeus ficarão ainda mais baratos para entrar no Brasil. Para os consumidores o acordo é ótimo.

A negociação, fechada na sexta-feira, zera a taxa de 27% cobrada atualmente pelo Mercosul sobre os vinhos europeus. Bebidas destiladas também serão beneficiadas com o fim de taxas que variam entre 20% e 35%. Ou seja, uma péssima noticia para o setor vinícola que enfrenta dificuldades para competir, pois a carga tributária é muito desigual. O acordo vai zerar tarifa de importação dos vinhos europeus tranquilos em 8 anos e dos espumantes em 12. Sâo 28 países da UE e as quatro nações que fazem parte do Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai). Os dois blocos juntos reúnem cerca de 750 milhões de consumidores.

Em publicação, o bloco comemora a redução de tarifas para produtos agroalimentares exportados para o Mercosul, como chocolates e itens de confeitaria (20%), vinhos (27%), destilados (20% a 35%) e refrigerantes (20% a 35).

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal