Onix balança mas não cai

Não passa de especulações da imprensa a possível saída do Ministro Onix Lorenzoni. Neste sábado, o ministro conversou com o presidente Jair Bolsonaro e garante que não vai sair. É possível no entanto que ele troque de pasta.

O ministro disse, que a hipótese de deixar a pasta é uma "onda" que se formou na imprensa.


Ele reafirmou que não cogita sair do governo, apesar da instabilidade política que o envolve depois do esvaziamento do ministério por determinação de Jair Bolsonaro. O presidente mandou demitir auxiliares de Onyx e transferiu o Programa de Parceria de Investimentos (PPI), subordinado a Onyx, para o Ministério da Economia, de Paulo Guedes.


“Ninguém está cogitando qualquer tipo de saída. Conversei com generais, ministros, com todo mundo. Isso é uma onda que se formou em Brasília, na imprensa”, disse Onyx .

O ministro ainda relembrou sua relação com Bolsonaro. “Lutei muito quando ninguém apostava nele. Eu tinha uma postura rara, acreditava nele. Nós começamos praticamente sozinhos. Nós e mais dois deputados. Tenho muita confiança nele. E ele em mim.”

Nesta segunda-feira, Onyx será o representante do presidente Jair Bolsonaro na sessão de abertura dos trabalhos do Congresso. O ministro levará ao Parlamento a mensagem presidencial, que foi revisada por Bolsonaro hoje.

Onyx adiantou que, além de ressaltar a importância das reformas administrativa e tributária, a mensagem trata ainda do combate à criminalidade e à corrupção e do fortalecimento da imagem do país no exterior.

“Nós recuperamos no primeiro ano [de governo] a confiança interna no Brasil e recuperamos a confiança externa no Brasil. Hoje, onde quer que a gente vá, os países olham para o Brasil com certeza e que aqui tem presente e tem bom futuro, quer para o investidor externo, quer para o investidor brasileiro e quer para a sociedade brasileira”, disse.

Para 2020, Onyx disse que a articulação política não muda, continuará sob o comando do general Luiz Eduardo Ramos, chefe da secretaria de Governo. Ele avaliou que as dificuldades entre Executivo e Legislativo são normais em todo governo pelos muitos interesses envolvidos.

“Este é um governo que vem fazendo uma série de reformas, fizemos a maior reforma previdenciária que um país ocidental fez em uma única vez. Estamos trabalhando com a reforma do pacto federativo”, lembrou.

Segundo Onyx, durante décadas, prefeitos e governadores vieram a Brasília “apenas de pires na mão” em busca de uma fatia no Orçamento federal. “Nós mandamos ainda no ano passado uma reforma do Estado brasileiro que vai permitir a reformulação do pacto federativo, onde estados e municípios terão ferramentas para combater crises fiscais”, afirmou.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal