Ex-presidente do Banco Central diz que é falso o debate entre salvar vidas e a economia


O economista Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central, em entrevista para o jornal O Globo, disse que é falsa a dicotomia entre salvar vidas e a economia. Segundo ele, suspender a quarentena imposta pelos municípios, na maior parte do país, não levaria os brasileiros a saírem gastando e nem os empregos seriam preservados em sua plenitude.

"Dá a impressão de que há um custo econômico, e há. Mas dá também a impressão de que há uma alternativa sem custo, que seria fazer o isolamento vertical. Mas isso não é verdade", afirmou.

"É preciso olhar no detalhe, no caso do Brasil pegaria um número muito grande de pessoas muito fragilizadas. Da população, 38% são idosos, portadoras de doenças crônicas ou ambos, seria uma loucura".

Sobre o isolamento social vertical, aquele que fecha tudo por duas semanas, identifica-se quem está carregando o vírus e isola essas pessoas, Fraga disse que no Brasil o modelo é totalmente inviável.

"Aqui no Brasil isso é totalmente impossível. E os que ficarão expostos são muito numerosos e vulneráveis. Nossa rede de hospitais, como aliás em boa parte do mundo, não esta preparada para uma pandemia deste tamanho. Seria uma catástrofe social".

“No caso do isolamento, a ideia é se antecipar à propagação do vírus. Em outros países, como Cingapura, que é rica e pequena, foi possível também testar muito, com rastreamento de contatos, um processo quase individual. Mas isso não seria possível aqui. Então, o isolamento é a única opção".

"Uma estratégia radical ( de abandono do isolamento) que, falando com muita transparência, vai matar muita gente, para mim não faz o menor sentido. Vamos dar um jeito de aguentar e ganhar tempo, o governo terá que ser solidário, as pessoas também."

Sobre a situação econômica o economista concorda de que é preciso medidas urgentes.

"No lado da economia, a ação ganha contornos de urgência, em função do colapso súbito da receita de várias empresas, pequenas, médias e grandes. Dependendo do setor, o colapso chega a 100%. Nada disso existe em situações normais. Numa recessão, a receita cai aos poucos e chega, no pior momento, a uma queda média de 10%. Por consequência, espera-se uma onda enorme de desemprego. Por isso, é importante agir rapidamente. O que não está acontecendo.”

"Haverá portanto um custo econômico. Estamos lidando com uma situação com grande potencial de instabilidade. Cabe uma resposta firme da política social e econômica. Nós temos os recursos. Os EUA vão gastar 5% do PIB. Aqui poderíamos gastar um pouco menos, 3%, 4% do PIB deixando claro que são gastos temporários, mas ajudaria bastante. A situação já não estava muito boa, o desemprego já vinha alto, a economia vinha crescendo pouco".

"É crucial que o governo apresente uma estratégia clara, que deveria englobar quatro grandes ações de resposta a crise: apoio à rede hospitalar, manutenção do abastecimento e da logística, ajuda à população mais pobre e socorro as empresas".

"O ideia neste momento não é buscar a perfeição,é soltar os recursos o quanto antes. É preciso usar o Cadastro Único, zerar a fila do Bolsa Família de depois ampliar o programa. É uma ferramenta que precisa ser acionada rapidamente. Esse é um uso nobre dos recursos, talvez o mais nobre, em paralelos aos recursos para o SUS. A outra frente de ação é o crédito para as empresas." disse.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal