FIERGS prepara documento "CUSTO RS"

A Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs) identificou os 30 maiores entraves que prejudicam a competitividade do setor industrial gaúcho, divididos nas áreas de relações do trabalho, tributação, infraestrutura , energia, comércio exterior e meio ambiente. O estudo será lançado em um documento intitulado “Custo RS”.

O levantamento mostra que, no período 2015-2019, o governo estadual investiu por ano, em média, apenas 2,8% da receita corrente líquida, o pior resultado do país. Já entre 2003 e 2017, o PIB gaúcho cresceu 30%, desempenho somente melhor que o observado no Rio de Janeiro (23%). No capítulo sobre impostos, a entidade identificou que o Rio Grande do Sul tem uma das maiores cargas tributárias sobre etanol, gasolina e diesel, o que faz o estado obter a terceira colocação entre os combustíveis mais caros do Brasil.

No documento de 17 páginas , a Fiergs diz ainda que a distância dos polos consumidores e dos portos encarece as mercadorias produzidas em solo gaúcho. O terminal mais próximo de Bento Gonçalves é Imbituba (SC), que fica 420 quilômetros do importante polo moveleiro do estado. “Esses gargalos compõem o que denominamos de Custo RS e tornam o Rio Grande do Sul menos atraente do que outros Estados para empresas investirem e produzirem”, declara Gilberto Petry, presidente da Fiergs. ( Fonte: Amanhã).

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal