A eterna lua de mel de dois sul-africanos bloqueados pelo coronavírus

Raul e Olivia de Freitas, 28 e 27 anos, ele açougueiro e ela professora. São Sul africanos. Desde 22 de março estão vivendo em paraíso. Eles estão presos nas Maldivas, em um resort ultra luxo onde são os únicos clientes . Eles não deixaram o atol de Vaavu e seu resort, o luxuoso Cinnamon Velifushi, devido a ausência de vôos para retornarem. Está tudo cancelado.

Eles são assistidos pela equipe completa do resort. Dormem, mergulham, nadam, jogam tênis de mesa e bilhar até ficarem exaustos. Raul participou dos jogos de futebol dos garçons, nenhum dos quais pode deixar o resort, de acordo com as disposições do governo das Maldivas, até 14 dias após a saída do último hóspede. O casal conta com ainda com jantares à luz de velas, shows todas as noites apenas para eles, nove garçons servindo café da manhã e mergulhos privados. À sua custa: eles receberam um desconto, mas a estadia não é gratuita. "Um luxo para nós", disseram eles ao repórter do New York Times que descobriu a história, explicando que os fundos adicionais serão subtraídos do adiantamento da hipoteca que estão prestes a abrir. Mas, por enquanto, não se sabe quando eles voltarão para casa. ( Fonte: Nytimes).

Maldivas, a eterna lua de mel de dois sul-africanos bloqueados pelo coronavírus

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal