Termina o ciclo: Bolsonaro demite Mandetta

https://f.i.uol.com.br/fotografia/2020/04/16/15870709785e98c80226995_1587070978_3x2_th.jpg
O presidente Jair Bolsonaro demitiu, nesta quinta-feira, o ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta. A decisão, comunicada em reunião no Palácio do Planalto, era esperada. O substituto será o oncologista Nelson Teich, que se reuniu com Bolsonaro na manhã desta quinta, em Brasília. No encontro, o médico apresentou propostas de enfrentamento à COVID-19 no país.

No pronunciamento, o médico afirmou que não haverá definição brusca sobre distanciamento. "Não vai haver qualquer definição brusca ou radical do que vai acontecer​. O que é fundamental hoje? Que a gente tenha informação cada vez maior sobre o que acontece com as pessoas, com cada ação que é tomada", disse Teich. "Tudo aqui vai ser tratado de uma forma técnica e científica."

Pelo Twitter, Mandetta anunciou a demissão. "Acabo de ouvir do presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS, de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planejar o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar. Agradeço a toda a equipe que esteve comigo no MS e desejo êxito ao meu sucessor no cargo de ministro da Saúde. Rogo a Deus e a Nossa Senhora Aparecida que abençoem muito o nosso país", publicou.

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, presidente e ministro batiam cabeça em torno das ações de distanciamento social. As medidas defendidas por Mandetta e executadas por boa parte dos prefeitos e governadores eram recomendadas, inclusive, pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Bolsonaro, por sua vez, defende o afrouxamento dessa estratégia. Não à toa, o Financial Times o classificou nesta quinta como "um dos piores negacionistas do mundo".

Mandetta sai grande do Ministério, com enorme popularidade. Entrou pequeno e saiu grande. O governador de São Paulo, João Dória, provavelmente, ganhará um excelente vice-presidente para sua candidatura futura ao Planalto.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal