Vitimismo, perseguição e indiferença aos pedido pessoais. As justificativas de Bolsonaro

Bolsonaro aglomera ministros em coletiva para falar sobre demissão ...
O presidente Jair Bolsonaro, num pronunciamento de cerca de 45 min à imprensa, no final da tarde desta sexta-feira, mais uma vez adotou a estratégia do vitimismo e da perseguição. Disse que optou por trocar diretores da PF porque, segundo ele, seus pedidos pessoais quanto a investigação de fatos relativos a pessoa do presidente não estavam sendo considerados como importantes pelos delegados.

Afirmou que gostaria de ver atitudes mais firmes da Polícia Federal nas investigações sobre a facada desferida por Adelio Bispo, na campanha eleitoral de 2018, além do inquérito sobre o porteiro que insinuou o envolvimento do presidente no Caso Marielle.

"Sugerir a troca de dois superintendentes entre 27. O do Rio, a questão do porteiro, a questão do meu filho 04, Renan, que agora tem 20, 21 anos de idade. Quando no clamor da questão do porteiro do caso Adélio, que os dois ex-policiais teriam ido falado comigo, também apareceu que meu filho 04 teria namorado a filha desse ex-sargento ",disse.

Bolsonaro disse no pronunciamento que pedia a Moro um relatório diário sobre atividades da Polícia Federal, a fim de poder tomar decisões.

"Sempre falei para ele: 'Moro, não tenho informações da PF. Eu tenho que ter, todo dia, um relatório do que aconteceu, em especial nas últimas 24 horas, para poder decidir o futuro da nação'. Nunca pedi a ele o andamento de qualquer processo, até porque a inteligência, com ele, perdeu espaço na Justiça, quase que implorando informações. E assim eu sempre cobrei informações dos demais órgãos de inteligência do governo, como a Abin, que tem à frente um delegado da PF", declarou.

Sobre a acusação de Moro, segundo a qual Bolsonaro pediu para trocar o diretor-geral da PF a fim de ter acesso a investigações e inquéritos, o presidente contestou. "Nunca pedi para ele para que a PF me blindasse onde quer que fosse", disse.

Em um trecho do pronunciamento, Bolsonaro reforçou que a indicação do diretor-geral da PF cabe a ele e que, se um dia ele se "submeter a qualquer subordinado", deixará de ser presidente.

"Acertamos, como fiz com todos os ministros: 'Vai ter autonomia no seu ministério'. Autonomia não é sinal de soberania. A todos os ministros, e a ele também, falei do meu poder de veto. Os cargos-chave teriam que passar pelas minhas mãos e eu daria sinal verde ou não. Para todos os ministros, isso foi feito. Mais de 90% dos que passaram, dei sinal verde", declarou.

 A cultura do vitimismo diz que se mostrar no papel de vítima é socialmente bem visto. Quem está com a verdade? Isso só os fatos a seguir poderão demonstrar.


Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal