Professor universitário da Universidade de Santa Cruz faz postagem em que ironiza ao propor a morte de Bolsonaro, Lauro e Michelle



Comentários postados no Facebook sobre a confirmação de que o presidente Jair Bolsonaro testou positivo para Covid-19 geraram polêmica em Santa Cruz do Sul na terça-feira, 7. As manifestações foram feitas pelo professor universitário Julio Bernardes.

Em um dos casos, Júlio Bernardes, sugeria que Bolsonaro e seus familiares ingerissem um raticida. “Olha tem um remédio que não falha…Mata o vírus com certeza.. se alguém conhece o Bolsonaro, ou os filhos, ou a Micheque… Diz para eles passarem numa agropecuária, ou até numa ferragem e comprarem ‘Ri do Rato’”, diz o texto. A mensagem foi apagada pelo Facebook, mas Bernardes seguiu recebendo críticas durante todo o dia.

O caso foi parar na PGR por iniciativa do deputado Ubiratan Sanderson, vice-líder do governo na Câmara.

A Universidade de Santa Cruz do Sul emitiu uma nota sobre as ameaças que seu professor fez. A reitoria da Unisc alegou que “não compactua com atitudes ou atos de violência de qualquer ordem, tampouco é condizente com manifestações que denigrem a honra da pessoa”.

O professor mora em Porto Alegre.

Ele afirmou que não imaginava a repercussão que o post teria. Bernardes lamenta que a Unisc tenha sido alvo de críticas por parte da comunidade devido ao caso e faz uma autocrítica sobre o texto que publicou.

“Fiz uma nota no Facebook, em que eu me desculpo. E me desculpo primeiro com as pessoas que talvez não tenham entendido a ironia da peça como humor, então peço desculpas, e segundo aos meus amigos, as pessoas com quem compartilho a visão de mundo, […] de certa forma, eu usei a arma que os outros usam para fazer um tipo de humor que a gente condena. Então eu acabei cedendo, talvez por tanto ver na internet um tipo de humor, a gente acaba cometendo um ato falho”, disse à Rádio Gazeta de Santa Cruz do Sul.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal