Pular para o conteúdo principal

Fica a esperança de que existam mais Hermans em Brasília

Tecnicamente e juridicamente, não há o que se discutir. O julgamento que livrou Temer da cassação, ao menos por enquanto, deveria ter tido apenas um resultado: o da condenação. Mas não foi ! Foi político, foi tendencioso, foi falho ao não cumprir a lei, foi injusto. Quando a justiça é injusta deixa de cumprir seu papel. No tribunal a verdade e a justiça não deveriam ficar para trás. Mesmo que por mais minuciosos que sejam os códigos legais, ainda que o juiz obedecesse à própria razão, à sua inviolável liberdade, quando o compromisso ético prevalece, no exame dos autos, na interpretação da lei e na prolação da sentença, faz-se justiça. Quatro juízes não fizeram.

Não se pode acusar de ilegítima a decisão da Corte de inocentar a chapa Dilma-Temer. Há argumentos técnicos que embasam os 4 a 3 a favor da manutenção da chapa, com a permanência de Michel Temer no Planalto.

Também não se pode ser decidir a partir do “clamor” popular. Para condenar alguém, em uma democracia, é necessário que a decisão seja sustentada em provas. No entanto, provas havia, e abundantes, conforme explanou de forma clara e didática o relator do processo, ministro Herman Benjamin. Mas o voto derradeiro de Gilmar Mendes ouviu o clamor do que defendem Temer. Gilmar Mendes disse ser preferível "pagar o preço de um governo ruim e mal escolhido do que uma instabilidade no sistema". Um absurdo!

No entanto, há algo que merece ser destacado. Herman Benjamin, até então um ilustre desconhecido do público em geral, brigou bravamente para ser ouvido. “Eu, como juiz, recuso o papel de coveiro de prova viva. Posso até participar do velório. Mas não carrego o caixão”, disse ele, ao final do voto que consumiu mais de dez horas e que corajosamente pediu a cassação da chapa Dilma-Temer, além da perda de direitos políticos dos dois por oito anos. Foi a frase emblemática do julgamento.

Herman apanhou por todos os lados. Nunca recuou. Nos duelos com Gilmar, adotou a estratégia de usar votos anteriores do colega para justificar tudo o que dizia. Brigou muito, mesmo sabendo, lá no fundo, que estava fadado à derrota. Fica a esperança de que existam mais Hermans em Brasília.

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Está faltando matéria prima para as indústrias moveleiras produzirem

A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) emitiram comunicado conjunto acerca do desabastecimento de painéis de madeira para indústrias e marcenarias. A pandemia provocou paralisação do consumo doméstico da matéria prima, fazendo com que as fornecedoras buscassem o mercado externo. No entanto, com a reabertura do comércio, o ritmo de produção das indústrias de móveis brasileiras cresceu rapidamente. Resultado: Desabastecimento interno. Alta nos preços. Está faltando chapa de MDF e MDP para atender a demanda nacional. A penas no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019, a exportação do MDP cru para a China registrou aumento de 700% e caso muito semelhante ocorreu com os EUA, com alta de mais de 600%. Eis a nota: A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), que representa a indústria de chapas de painéis, em atenção às manifestações de in