Pular para o conteúdo principal

Startup de Bento vence mais uma

A Business France , agência do governo francês de apoio à internacionalização da economia, responsável por impulsionar o crescimento das exportações da França e facilitar investimentos estrangeiros no país promoveu em São Paulo o Reveal&Invest Day, um concurso de apresentações de 14 startups brasileiras e francesas interessadas em fechar contratos nos dois mercados. Para vencer a competição, os empresários tinham três minutos para defender, em inglês, planos de negócios para uma banca de jurados formada por representantes de companhias como Ericsson, TIM e Waze, além de entidades de fomento ao empreendedorismo como Anjos do Brasil, Startup Farm e o French Tech Hub São Paulo. Os vencedores ganharam uma viagem de ida/volta França-Brasil, oferecida pela Air France, e programas de softlanding (início de atividade) em incubadoras no Brasil e na Europa.

O escolhido entre as iniciativas brasileiras foi o empresário Ezequiel Vedana da Rosa, fundador e CEO da Piipee, de Bento Gonçalves (RS). Fundada em 2015, a companhia de três funcionários já conquistou mais de 400 clientes. A maioria é de grandes organizações, como Braskem, ArcelorMittal e M.Dias Branco. A Piipee desenvolveu um sistema que promete reduzir em até 80% o consumo de água usada nas bacias sanitárias. Funciona com um 'dispenser' acoplado ao vaso. Ao ir ao banheiro, o usuário não aciona a descarga, mas o dispositivo da marca, que libera uma solução biodegradável. "O produto remove o odor, altera a coloração da água e higieniza o sanitário, sem a necessidade de gastar o líquido com a descarga", diz Rosa. O 'dispenser', com um refil de 500 ml da solução, custa a partir de R$ 104. A empresa faz vendas on-line, mas o plano é entrar no varejo. "Entre 2016 e 2017, crescemos 250%." Segundo Rosa, o acionamento do Piipee é mais barato que o custo de uma descarga. "A economia pode ser de até R$ 0,20, por vez, conforme a região". Alguns clientes conseguiram reduzir em mais da metade o consumo total de água, afirma. As exportações da solução começaram em abril, com contratos no México e Moçambique. Mais dez novos países estão na mira do empresário, que pretende abrir, em breve, um escritório no exterior. Além da França, a Piipee quer chegar à Espanha e Portugal, além de mais países africanos. Toda a fabricação é terceirizada com parceiros, o que garantiu um rápido crescimento nas entregas. Em outubro, a Piipee venceu o desafio Sebrae Like a Boss 1 Up, competição realizada em diversas etapas, desde a Campus Party São Paulo, no início do ano. A ação oferece consultoria aos empresários. Também entrou no Accelerate 2013, realizado pelo espaço de empreendedorismo Impact Hub, na Suíça, junto com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.