Pular para o conteúdo principal

Após início da propaganda na TV, cai percentual de eleitores sem voto

Há um velho bordão repetido em Brasília que diz que “eleição só começa quando muda o horário da novela”. A primeira pesquisa após o início do programa eleitoral de rádio e TV prova que enfim a eleição entrou na vida dos brasileiros. Há diversas evidências disso. Duas semanas atrás, 38% dos brasileiros ouvidos pelo Ibope optavam por anular, votar em branco ou não respondiam. Após a série de entrevistas no “Jornal Nacional” e cinco dias de propaganda televisiva, esse percentual caiu para 28%.

Outra evidência importante é a forte rejeição a Jair Bolsonaro, que atingiu 44%, quase o dobro da de seus principais adversários. Há duas semanas, num cenário que ainda incluía Lula, o percentual dos que diziam não votar de forma alguma no capitão reformado era de 37%. Detentor de um latifúndio de tempo no rádio e na TV, Geraldo Alckmin dedicou boa parte de seus comerciais a desconstruí-lo. Funcionou.

Embora tenha conquistado dois pontos de intenção de voto, chegando a 22% no primeiro turno, o candidato do PSL começa a vislumbrar, na pesquisa desta semana, um dos maiores riscos para sua campanha — a possibilidade de ser visto como aquele que inexoravelmente sairá derrotado no segundo turno.

Dos quatro cenários pesquisados pelo Ibope, Bolsonaro perde por cerca de dez pontos para os três nomes que hoje dividem, em empate técnico, a segunda posição da pesquisa: Ciro Gomes, Marina Silva e Geraldo Alckmin. No quarto cenário, o capitão reformado empata com o petista Fernando Haddad, que ainda nem foi oficialmente lançado.

A estratégia de Alckmin é justamente antecipar para o primeiro turno o voto útil dos eleitores da direita, alardeando ser aquele com maior possibilidade de derrotar a esquerda, sobretudo o PT, no segundo turno. A pesquisa, no entanto, também trouxe notícias preocupantes para o tucano. Embora tenha avançado de 7% para 9% das intenções de voto, ampliou-se a pulverização de votos entre outros nomes de seu campo político, especialmente João Amoedo — que empatou numericamente com Álvaro Dias, com 3% — e Henrique Meirelles, que flutuou de 1% para 2%.

Ciro Gomes parece ter sido o principal beneficiado do início da campanha. Sua intenção de votos cresceu três pontos, único movimento fora da margem de erro, e ele empatou numericamente com Marina Silva na segunda posição da corrida, com 12%. Embora Haddad tenha conseguido ir de 4% para 6%, o avanço do pedetista deve ligar um alerta no PT. ( Paulo Celso Pereira – O Globo)

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.