Pular para o conteúdo principal

Confira as 30 marcas mais valiosas do Brasil

A Brand Finance, uma consultoria internacional de avaliação de negócios, divulgou na quinta-feira (29) seu relatório anual com as marcas mais valiosas e as mais fortes do Brasil. O Itaú lidera o ranking. O valor de 2018. Mesmo com a queda, o valor do banco foi estimado em US$ 6,8 bilhões pela consultoria. Seguido do Itaú, vem o Bradesco, com um valor de US$ 6 bilhões e um de crescimento de 8% com relação ao ano anterior. O Banco do Brasil (US$ 4,3 bilhões e crescimento de 4%) e a Caixa Econômica Federal (US$ 4,2 bilhões e crescimento de 62%) aparecem como quarto e quinto colocados, respectivamente. Além de figurar no top 5 pela primeira vez, a Caixa foi a marca que mais cresceu no mercado brasileiro.

Entre as cinco primeiras, a unica que não é do setor financeiro é a Petrobras, em terceiro lugar. A marca da estatal, em 2019, foi avaliada com um valor de US$ 4,6 bilhões.
Além de calcular o valor, a Brand Finance também determina a força relativa da marca, usando algumas métricas que analisam pontos como investimento em marketing, o patrimônio do publico-alvo e como a marca gerencia o impacto desses aspectos na performance do negócio.

Seguindo esse critério, a Renner, rede de lojas de roupas e acessórios, é uma das maiores em questão de crescimento e lucratividade. Em 2019, a varejista aumentou em 20% seu valor de marca, chegando aos US$ 641 milhões.

Por lançar diversos empreendimentos tecnológicos que aprimoraram o envolvimento e a experiencia do cliente no varejo, conseguir um ótimo crescimento e manter o caráter de inovação, a Brand Finance avaliou a Renner como a marca mais forte do Brasil em 2019, atingido 91,8 pontos de 100.
O Magazine Luiza apareceu pela primeira vez no ranking, ocupando a 21ª posição, uma na frente da Renner.

É a segunda marca de varejo melhor colocada no ranking, ficando atrás apenas da Lojas Americanas, que ocupa a 16ª posição. O valor de marca do Magazine Luiza é de US$ 688 milhões.

Além do varejista, outras estreias foram o Banco do Nordeste, na 41ª posição, e a marca de pães Pullman, do Grupo Bimbo e as companhias aéreas Azul e Gol.

A Azul, considerada a maior companhia aérea do país em número de voos e cidades atendidas, ocupa a 27ª posição do estudo, estreando no ranking com um valor de US$ 466 milhões. Já a Gol apareceu na 46ª posição, com um valor de marca de US$ 229 milhões.
Confira as 30 marcas mais valiosas do Brasil:
PosiçãoMarcaSetorValor de marca em 2019 (em milhões de US$)Valor de marca em 2018 (em milhões de US$)Alteração do valor
1ItaúBancário6.8098.011– 15%
2BradescoBancário6.0765.633+ 7,9%
3PetrobrasPetróleo e gás4.6425.110– 9,2%
4Banco do BrasilBancário4.3224.163+ 3,8%
5CaixaBancário4.2332.620+ 61,6%
6BrahmaCerveja3.6373.715– 2,1%
7SkolCerveja3.4263.317+ 3,3%
8ValeMineração2.6432.093+ 25,8%
9SadiaAlimentos2.0352.764– 26,4%
10VivoTelecomunicações1.8842.099– 10,2%
11NaturaCosméticos1.4341.096+ 30,8%
12FibriaEngenharia e construção1.2231.175+ 4,1%
13DerbyTabaco1.222943+ 30,8%
14AntarcticaCerveja1.1921.123+ 6,2%
15EmbraerAviação1.0331.000+ 3,2%
16AmericanasVarejo1.002960+ 4,3%
17BraskemQuímica835745+ 12,1%
18OiTelecomunicação796977– 18,5%
19MarfrigAlimentos765635+ 20,4%
20IpirangaGasolina730808– 9,7%
21Magazine LuizaVarejo688
22RennerVarejo641532+ 20,4%
23CieloFinanceiro5911.267– 53,4%
24Nova SchinCerveja512894– 42,7%
25ExtraVarejo472419+ 12,6%
26Sul AmericaSeguros471628– 25%
27AzulAviação466
28Porto SeguroSeguros446513– 13,1%
29VotorantimEngenharia e Construção434720– 39,7%
30Assaí AtacadistaVarejo381266+ 43,3%


Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Está faltando matéria prima para as indústrias moveleiras produzirem

A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) emitiram comunicado conjunto acerca do desabastecimento de painéis de madeira para indústrias e marcenarias. A pandemia provocou paralisação do consumo doméstico da matéria prima, fazendo com que as fornecedoras buscassem o mercado externo. No entanto, com a reabertura do comércio, o ritmo de produção das indústrias de móveis brasileiras cresceu rapidamente. Resultado: Desabastecimento interno. Alta nos preços. Está faltando chapa de MDF e MDP para atender a demanda nacional. A penas no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019, a exportação do MDP cru para a China registrou aumento de 700% e caso muito semelhante ocorreu com os EUA, com alta de mais de 600%. Eis a nota: A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), que representa a indústria de chapas de painéis, em atenção às manifestações de in