Pular para o conteúdo principal

Grupo Todeschini apresentou esta semana em Cachoeira do Sul, a nova Todesmade


O Grupo Todeschini, inaugurou nesta semana em Cachoeira do Sul, na região Central do Estado a nova planta industrial da Todesmade. O investimento de R$105 milhões é faz parte de um projeto, denominado Sinergia, que inclui 8,4 mil hectares de florestas plantadas e um estoque de mais de três milhões de metros cúbicos de toras de madeira para serem processados. 

A apresentação da indústria e do Projeto Sinergia foi conduzida pelo presidente do grupo, Paulo Farina, e por seu irmão, João Farina Neto, pelo diretor industrial Jorge Pallastrelli e pelo gerente da Unidade, Sidiano Valduga.

A obra iniciou em março de 2019 e a previsão de inauguração era para este ano, mas, em função da pandemia, os empresários tiveram algumas dificuldades no fornecimento de suprimentos para a construção. O grupo pretende estar com a indústria em pleno funcionamento no mês de abril de 2021. A construção da indústria segue o conceito da sinergia, onde tudo se aproveita, inclusive a casca do pinus, para a caldeira.

Além dos pavilhões, o grupo Todeschini está investindo em máquinas modernas, grande parte delas importadas. A indústria contará com cinco prédios: serraria (para o corte e descasque da madeira), remanufatura (para classificação da madeira serrada e fábrica de pellets), caldeira, manutenção e o último que abrigará escritório, refeitório e vestiário. As edificações do complexo atingirão 20 mil m² em uma área total de 68 mil m². A pavimentação externa chegará a 25 mil m².

O projeto arquitetônico é da Pardini Arquitetura e Engenharia de Porto Alegre.

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp