Ministro do TSE Herman Benjamin defende em Bento reforma eleitoral

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Herman Benjamin, que foi relator da ação contra a chapa Dilma -Temer na Corte, afirmou nesta sexta-feira (29) que a reforma no sistema político-eleitoral é a questão mais importante no país. O magistrado, que também atua no Superior Tribunal de Justiça (STJ), fez a afirmação durante palestra no Congresso Estadual de Magistrados, promovido pela Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris), em Bento Gonçalves, na Serra.

“Se nós não mudarmos o arranjo político-institucional, os riscos são enormes e alguns deles podem nos levar a tragédias. Primeiro, a tragédia do descrédito no sistema político-eleitoral. Se nós não acreditarmos no voto popular, a porta estará escancarada para o desastre político”, disse.

No evento, o ministro também declarou ser "absolutamente favorável' a criação de fundo público como alternativa para financiamento de campanha, porque é preciso “entender o processo político-eleitoral como algo que pertence a nós” e não a "aproveitadores".

O ministro destacou que a Justiça Eleitoral brasileira, apesar de ser uma das melhores do mundo, não consegue controlar os repasses de empresas para campanhas políticas. "É impossível controlar o financiamento empresarial".

Para Benjamin, a hipótese de os candidatos bancarem suas despesas eleitorais iria criar um "parlamento recheado de ricos".

Na palestra, o juiz lamentou a força da compra de votos no Brasil. Benjamin disse que esse crime resulta na compra da lei:

— O que fazemos com a lei comprada? Qual a natureza jurídica de uma lei comprada?", questionou.

Mesmo com as críticas ao sistema político brasileiro, o ministro salientou que o parlamento brasileiro não é dominado por políticos corruptos, mas que uma minoria consegue fazer manobras para negociar vantagens indevidas:

— Não podemos generalizar e não vamos imaginar que o Parlamento é dominado por representantes de má fé. Posso afiançar que a esmagadora maioria tem preocupação com o país. Mas há uma minoria, infelizmente, que consegue negociar até mesmo um texto legal, disse Benjamin, complementando que alguns políticos veem o Judiciário como uma "fonte de mandado de prisão".

No Congresso, os magistrados lançaram uma carta onde afirmam que "uma sociedade complexa, como a atual, exige do Poder Judiciário coragem para declarar e assegurar concretamente direitos, especialmente os constitucionais".



As informações são do DC.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal