O presidente Temer já gastou R$ 12 bilhões nas negociações para derrotar, na Câmara, a 2ª denúncia contra ele.

Entre concessões no Refis, anistia de multas e desistência de privatizações, Michel Temer abriu a torneira para irrigar as barganhas políticas a fim de garantir vitória nesta quarta-feira na Câmara dos Deputados. As emendas parlamentares são recursos previstos no Orçamento, cuja aplicação é indicada por deputados e senadores. O dinheiro tem de ser empregado em projetos e obras nos estados e municípios. Quando ocorre o empenho, o valor da emenda fica registrado em "contas a pagar", e o Executivo é obrigado efetuar o pagamento até o ano seguinte. Com a aprovação do orçamento impositivo, em 2015, o governo passou a ser obrigado a liberar todo ano a verba prevista para as emendas. No entanto, o Palácio do Planalto pode decidir como fará a distribuição ao longo dos meses.

Desde 14 de setembro, quando a Procuradoria-Geral da República apresentou a denúncia por organização criminosa e obstrução da Justiça contra Temer, o governo liberou quase R$ 829 milhões em emendas. Do valor total previsto para este ano, R$ 6,8 bilhões, o Planalto ainda tem cerca de R$ 1,6 bilhão para distribuir. Os esforços estão concentrados em cerca de 40 deputados da base que ameaçam votar contra o peemedebista

Com apenas 3% da população avaliando seu governo como bom ou ótimo, Temer com isso, vai garantir mais uma vitória.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal