Banalização para ocultar interesses inconfessáveis

Conviver com divergências estão cada vez mais difíceis na atualidade. Pedir impeachment sem fundamento, e, de repente, tal qual um julgamento injusto, é um ato de extrema irresponsabilidade, para não dizer criminoso. Chega a ser ridículo. Uma banalização!

Desde o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff que este instrumento está sendo banalizado e usado com o propósito de ocultar razões inconfessáveis. Parece que estamos, enquanto sociedade, submersos no que podemos chamar de cultura do ridículo, que passa a ser considerada normal. A banalização do impeachment cria um precedente extremamente perigoso para a democracia brasileira.

A oposição derrotada, a mídia partidarizada, vêm se dedicando a cevar uma crise política permanente. Parece que o único que importa é derrubar um governo legitimamente eleito a qualquer custo e sob qualquer pretexto. Afinal escusas jurídicas, tecnicalidades jurídicas, sempre podem ser facilmente arrumadas, porque o que interessa é encobrir a ausência de mérito, a ausência de crime.

As instituições necessitam de serenidade neste atual tempo de crise. A disputa política deve voltar ao patamar da respeitabilidade das instituições e estas devem parar de ser instrumentalizadas.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal