Senado aprovou restrição ao regime de substituição tributária

O Senado aprovou nesta quarta-feira (7) um projeto que restringe a aplicação do regime de substituição tributária do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), beneficiando pequenas e microempresas enquadradas no regime do Simples.

A substituição tributária é um mecanismo pelo qual uma empresa é responsável pelo pagamento de tributos devidos pelos demais membros de uma cadeia produtiva. Sua aplicação permite aos Estados cobrar uma alíquota maior do que a do Simples e de forma antecipada.

No caso do ICMS, a lei atualmente permite que os governos estaduais lancem mão da substituição tributária quando um fabricante tenha um faturamento superior a R$ 180 mil por ano. Pela proposta aprovada, passou a valer o limite de enquadramento do Simples Nacional, que é de R$ 4,8 milhões

Também beneficia setores que estariam excluídos desse mecanismo pela lei complementar 147/2014, aprovada pelo Congresso, mas que tiveram algumas empresas enquadradas nele pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) por faturarem mais de R$ 180 mil.

O modelo da substituição tributária faz com que as empresas arrecadem o ICMS na fonte. Isso ajuda no controle da arrecadação e na formalização das empresas. O problema é que as alíquotas estão fora da realidade mercantil, o que acaba prejudicando o fluxo de caixa de pequenos e médios empresários. Eles acabam pagando o imposto antes mesmo de vender o produto. Muitas vezes, o produto é vendido a prazo e o imposto pago à vista. E mais, quando o governo define a margem do imposto, ele esquece que esse produto pode ficar encalhado no estoque e a empresa acaba tendo que vendê-lo em promoção.


Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal