A reforma tributária avança- Editorial Gazeta do Povo

Enquanto a reforma da Previdência caminha lentamente na Câmara dos Deputados, outra reforma fundamental, a tributária, parece destinada a uma tramitação mais célere, ou pelo menos mais consensual. Os parlamentares não quiseram esperar que a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, enviasse seu próprio projeto, mas também recusaram a PEC 293/04, relatada pelo ex-deputado Luiz Carlos Hauly e que já tinha sido aprovada em Comissão Especial no fim do ano passado. O novo projeto, a PEC 45/2019, foi assinado por Baleia Rossi (MDB-SP) e mais de 170 deputados, incluindo membros da base aliada de Jair Bolsonaro. Na quarta-feira, o relator do projeto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), João Roma (PRB-BA), votou pela sua aprovação; na próxima terça-feira, dia 21, a CCJ ouvirá o mentor da reforma, o economista Bernard Appy, do Centro de Cidadania Fiscal; no dia seguinte, deve concluir a votação.

A PEC 45/2019 unifica cinco tributos – ICMS, PIS/Cofins, ISS e IPI –, que serão gradualmente substituídos por um novo Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), e permite o surgimento de um Imposto Seletivo, federal, que só poderia incidir sobre determinados produtos cujo consumo se deseje desestimular, como cigarros ou bebidas alcoólicas. Neste sentido, a PEC 45/2019 é um pouco mais modesta que a proposta anterior que estava no Congresso e que unificava dez impostos (IPI, IOF, CSLL, PIS, Pasep, Cofins, Salário Educação, Cide Combustíveis, ICMS e ISS), também prevendo o Imposto Seletivo. Em comum, esta unificação promovida por ambos os projetos tem uma característica que alguns parlamentares enxergam como problemática, pois envolve impostos federais, estaduais e municipais. Como garantir que não haja desequilíbrios na distribuição da arrecadação do IBS é um tema que os membros da CCJ pretendem esclarecer com a presença de Appy.

E, se por um lado o contribuinte efetivamente deixa de pagar cinco impostos para pagar apenas um, simplificando sua vida, o texto acaba criando mais burocracia na outra ponta, a do arrecadador e administrador dos recursos. A regulamentação do IBS exigirá lei complementar; as alíquotas serão calculadas pelo Tribunal de Contas da União e aprovadas pelo Senado, podendo depois ser alteradas por estados e municípios por lei ordinária; será criado um comitê gestor nacional com representantes de União, estados e municípios para controlar a arrecadação e a distribuição da receita.

A simplificação, por si só, já é extremamente bem-vinda. O Brasil ocupa a liderança incontestável nos rankings internacionais quando o assunto é complexidade do sistema tributário e o esforço necessário em tempo e pessoal para cumprir todas as obrigações com o Fisco. Mas uma verdadeira reforma tributária também precisaria atacar pelo menos mais dois problemas: o fato de o Brasil, hoje, tributar muito mais a produção e o consumo que a renda e a propriedade, algo que prejudica os mais pobres, que gastam parte maior da sua renda com impostos; e o fato de a arrecadação estar, hoje, concentrada na União, restando fatias pequenas aos estados e municípios, entes responsáveis por serviços essenciais como educação básica, saúde e segurança pública.

A PEC 45/2019 prevê uma redistribuição da arrecadação do IBS ao longo de um período de 50 anos, mas não trata da mudança no foco da tributação; o que ela faz é criar um mecanismo para que os mais pobres tenham um tipo de restituição, realizado por meio do cruzamento de dados do CPF com os cadastros dos programas sociais. A experiência de municípios e estados que devolvem parte dos impostos a quem pede a inclusão do CPF nas notas fiscais mostrará até que ponto esse sistema será eficaz no combate à informalidade, mas desde já pode-se apontar dois problemas. Primeiro, há uma transferência da responsabilidade para o contribuinte mais pobre, que terá de lembrar sempre da necessidade de exigir a nota fiscal para que o governo saiba o valor a ser devolvido; além disso, a vinculação entre devolução tributária e cadastro em programas sociais deixa a porta aberta para fraudes em que pessoas seriam incluídas na lista de beneficiários apenas para conseguirem recuperar o IBS pago.

Como a necessidade de uma reforma que simplifique o sistema tributário brasileiro é quase que uma unanimidade, o governo terá de correr e trabalhar em extrema sintonia com sua base aliada no Congresso se quiser fazer alguma alteração na proposta de Appy. Ao patrocinar um novo projeto de reforma, o parlamento já desperdiçou todo o trabalho feito com a PEC 293/04, que chegou a estar pronta para votação em plenário; voltar à estaca zero mais uma vez só se justificará se a equipe econômica tiver uma ideia radicalmente diferente e muito melhor que a atual.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal