Medida exemplar do governo de Bento desburocratiza máquina pública



No âmbito do programa Desenvolve Bento, o governo do prefeito Guilherme Pasin anunciou nesta quinta-feira  novas medidas de estímulo a atividade econômica, geração de empregos e de desburocratização. Entre as medidas está a edição de normas reguladoras para o licenciamento ambiental com a isenção de licenças para 58 atividades de baixo potencial poluidor ou baixo impacto ambiental associado por entender que já há outras autorizações e licenças são suficientes para aquela natureza de atividade. Por exemplo:Pastelaria, Igrejas, Hotéis e Pousadas, Clínica Odontológica entre outras.

As novas solicitações, inclusive de renovação, deverão observar os novos enquadramentos de tipologias e competências de licenciamento. A não incidência de licenciamento ambiental em empreendimentos e atividades, ou em determinados portes destes, não dispensa a necessidade de atendimento de outras autorizações e licenças exigidas pela legislação vigente. Ou seja, quem cometer crime ambiental vai continuar sendo punido de acordo com a legislação vigente.

Outro decreto assinado por Pasin,  retira a necessidade de alvará, habite-se, autorização, ou licença para operar para atividades de baixo risco, que não oferecem nenhum risco à sociedade, como por exemplo costureira, sapateiro, salão de beleza entre outras. O objetivo é facilitar a vida do cidadão e dos pequenos negócios com geração de emprego e renda, oportunizando aos empreendedores a liberdade de trabalhar e produzir e a presunção da boa-fé.

O Bento mais Livre é a segunda parte de um projeto de Desenvolvimento que foi iniciado pelo governo Pasin  ainda no ano de 2015, com a criação da Lei de Incentivo ao Desenvolvimento Econômico, que isentou temporariamente taxas e tributos para empresas já estabelecidas no município, e que tenham projetos de ampliação, ou para empresas que optarem por se instalar na cidade, gerando novos empregos.

A motivação para o Bento mais Livre foi a MP 881, do deputado federal Jerônimo Goergen (PP)que, como relator da MP, construiu um texto muito adequado as necessidades de um país que precisa crescer e que precisa de um estado menos “interventor” por qualquer dos seus poderes. Em Bento, além da MP, o governo ampliou as medidas ao incluir, por exemplo, a isenção do licenciamento ambiental para dezenas de atividades de baixo impacto ambiental, cujas isenções já foram pelo CONSEMA em 2018. A ideia não é acabar ou enfraquecer o licenciamento ambiental que é um instrumento valioso para o desenvolvimento sustentável, tarata-se de modernizar , racionalizar, eliminado as burocracias desnecessárias, tornando o procedimento mais ágil e eficiente.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal