Previdência: Município de Bento deve se adequar até julho ou perderá recursos federais


Nesta segunda-feira, 09, foi realizada uma reunião entre o governo municipal e a mesa diretora da Câmara de Vereadores para a discussão dos termos da Emenda Constitucional nº 103, de 2019, a PEC da reforma da Previdência do Governo Federal que obriga os municípios adequar seus regimes próprios de Previdência as novas regras dos servidores federais. A reunião ocorreu na prefeitura e contou com a presença do Prefeito, Vice- Prefeito e os secretários de governo, finanças e administração, além do Procurador e do Subprocurador do município.

Entre as principais obrigatoriedades, está o fato de que Estados e municípios têm até o dia 31 de julho de 2020 para corrigirem as alíquotas de contribuição para, no mínimo, 14%, sem a obrigação de adotar a tabela progressiva que vale para os servidores da União. Ou seja, com a Lei Federal a contribuição do servidor passará de 11% para 14%, e o repasse do Município de 13,25% para 14%.  Para entrar em vigor as novas alíquotas é necessário respeitar o prazo de 90 dias, e caso não forem aprovadas e implementadas, o município ficam impedido de receber as transferências voluntárias de recursos pela União, entre elas recursos para programas de custeio da saúde e serviços públicos, além de ficar impedido de receber financiamentos e emendas parlamentares, o que paralisaria obras em andamento.

A PEC também determina a responsabilidade pelo pagamento dos benefícios de incapacidade temporária para o trabalho, salário-maternidade, salário-família e auxílio-reclusão pelo ente federativo, ou seja, o próprio Município, e não mais pelo Fundo de aposentadoria.
Para compensar as alterações na contribuição previdenciária, que será no caso maior aos servidores, os vereadores em conjunto com o prefeito propôs adotar, no mesmo momento, a reajuste salarial ao funcionalismo na ordem de 3,05%, índice que está acima da inflação prevista para este ano de 2,49%. “Em se tratando de uma obrigação determinada pelo governo federal, entendo justa e necessária a construção desta proposta com apoio dos Vereadores, para que possamos reajustar os salários”, disse o Prefeito.
  
O Presidente da Câmara de Vereadores, Rafael Pasqualotto destacou que “ A ideia surgiu de forma conjunta  para que a mudança não impacte tanto na vida do servidor. Apesar de sermos obrigados, não queremos trazer prejuízo nem para o município nem para os servidores”, ressalta.
Os projetos para adequação a Emenda Constitucional serão protocolados em regime de urgência na câmara e deverão ser votados ainda este ano.

Entenda o projeto:
1-      Emenda Constitucional nº 103, de 2019, a PEC da reforma da Previdência do Governo Federal que OBRIGA os Municípios até julho de 2020 adequarem regimes próprios de Previdência.
2-      Caso não seja aprovado até a data estipulada o Município terá bloqueado o Certificado de Regularidade Previdenciária e consequentemente, impedidos de receberem financiamentos e transferências da União, o que incluí emendas parlamentares, o que paralisaria obras em andamento.
3-      O valor repassado do servidor para previdência passa de 11% para 14% e o patronal 13,25% para 14%.
4-      Proposta dos Vereadores é de que seja feito reajuste salarial acima da inflação 3,05%
5-      Não há impacto na vida do servidor
6-      Projeto vai a votação na Câmara de Vereadores, e entra em vigor 90 dias após a aprovação.



Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal