Servidores insistem em querer aquilo que a sociedade não quer

A sociedade quer mais trabalho, mais austeridade, menos desperdício, mais economia, serviço público de qualidade, dedicação, esforço, trabalho extra, vontade, respeito, atenção, enfim, essas e outras coisas mais, e que deveriam fazer parte do dia a dia do servidor público.

Ninguém aguenta mais suportar e pagar por benefícios que são exclusivos do funcionalismo.  Afinal no que eles são diferentes de qualquer trabalhador da iniciativa privada? O que é tão difícil assim, que é necessário conceder vantagens e benefícios adicionais e que não fazem parte da vida de qualquer trabalhador? Porque, por exemplo, o tempo de aposentadoria é diferente entre um funcionário público e um trabalhador na inciativa privada?

Nesta terça-feira novamente os servidores públicos estaduais, professores na maioria, e aposentados, vão em marcha para Porto Alegre protestar contra o pacote de reforma das carreiras do funcionalismo anunciado pelo governador Eduardo Leite. Não tem cabimento isso. É hora de trabalhar, de contribuir para um Estado melhor no futuro. Não dá mais para perpetuar privilégios e desigualdades até os 100 anos de idade. O foco do serviço público deveria ser a satisfação do cliente e não a garantia do servidor num emprego vitalício. Não aceitam nem sequer discutir alternativas. São radicais ao ponto de não querer nada da proposta do governo.

Ora, o que os professores querem, a sociedade não quer mais.

Depois da Federasul e da Fecomércio, que desde o início deram apoio integral ao pacote do governador nesta segunda-feira (9) foi a vez da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) entrar no mutirão para tentar convencer os deputados a aprovarem as medidas.  Ou seja, setores representativos da sociedade civil já firmaram posição de que o funcionalismo está errado. E se fizermos uma enquete, tenho a impressão que a grande maioria da população também entende que é preciso mudar.

Então porque insistir em algo que vai contra o que a maioria pensa? O problema é que nossa sociedade é viciada em privilégios. Todo mundo tem, ou busca, um privilégio para chamar de seu. No fundo é isso.

Por outro lado, surge a notícia de que em âmbito federal, a reforma do serviço público preparada pelo governo pode determinar que a estabilidade no cargo só seja concedida se a população avaliar positivamente as atividades desempenhadas por um funcionário público aprovado em concurso. A intenção foi apresentada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta segunda-feira (9). Isso é ótimo. Estabilidade no emprego, porque?

O governo já havia informado que seria proposto um novo sistema de avaliação de desempenho feito pelos gestores do serviço público sobre seus subordinados. A regra valeria para que a estabilidade fosse atingida e também para as progressões de carreira.

Agora, Guedes fala em um fator adicional. Segundo ele, é preciso analisar se o funcionário realmente atende bem a população. De acordo com o ministro, se houver avaliação positiva dos cidadãos, junto com um retorno favorável dos chefes imediatos e funcionários experientes, a estabilidade poderá ser concedida.

Precisamos avançar.







Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal