Ministro Mandetta diz: Agora é hora de parar

Na manhã deste sábado, o presidente Jair Bolsonaro chamou seus ministros para uma reunião extraordinária em Brasília. Pelo visto, a julgar pelo que disse no final da tarde, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta a missão dada pelo presidente foi de que é preciso encontrar um modelo que possa contentar a ala econômica e as recomendações da OMS e do próprio Ministério da Saúde.

Isso não existe. A vida vale muito mais do que qualquer outra proposta de trabalho. O ministro sabe disso, o que ele não quer é bater de frente com o presidente, tanto que voltou a defender a diminuição de circulação de pessoas. Segundo ele, é necessário ter racionalidade e não agir por impulso.

O ministro também afirmou que é importante diminuir a sobrecarga do sistema de saúde para que haja tempo do governo comprar equipamentos de proteção para profissionais de saúde.

“Mais uma razão para ficar em casa, parados, até que a gente consiga colocar os produtos nas mãos dos profissionais de saúde que precisam. Se a gente sair andando todo mundo de uma vez, vai faltar para o rico, para o pobre, para todo mundo. Tem que ter racionalidade e não nos mover por impulso. Vamos nos mover como eu digo desde o princípio, pela ciência, pela parte técnica e com planejamento”, afirmou.

"Nós estamos falando de vida. Vamos nos pautar pela ciência, nós vamos adotar medidas por critérios científicos e vamos fazer planejamento", disse.

Segundo o pronunciamento feito à imprensa, e divulgado nas redes sociais do ministério, o Brasil tem hoje 3.904 casos confirmados e 114 mortes. São Paulo tem o maior número de casos, são 1.406, e o Rio, em seguida, tem 558. Dez estados apresentaram óbitos. Até o momento, são 569 pessoas internadas com teste positivo para a Covid-19: não estão contabilizados os casos suspeitos.

Com conteúdo da Exame.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal