Pronunciamento de Bolsonaro à nação é um atentado ao esforço que cada município tem feito para proteger sua população

Resultado de imagem para pronunciamento de bolsonaro

Em pronunciamento no rádio e na TV na noite desta terça-feira (24), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o novo coronavírus (covid-19) está sendo enfrentado e pediu calma à população. "Sem pânico ou histeria, como venho falando desde o princípio, venceremos o vírus e nos orgulharemos”, disse o presidente.

Bolsonaro afirmou que as autoridades devem evitar medidas como proibição de transportes, o fechamento de comércio e o confinamento em massa. “Nossa vida tem que continuar. Os empregos devem ser mantidos. O sustento das famílias deve ser preservado. Devemos, sim, voltar à normalidade”, destacou.

Foi uma declaração infeliz e que vai em direção contrária ao que a grande maioria dos municípios e estados estão fazendo. Se o isolamento social é a melhor arma para se evitar a propagação do vírus, o Presidente, no mínimo, foi irresponsável em defender o contrário.

Todas as autoridades de saúde pública tem defendido que é preciso, pelo menos, 14 dias de isolamento para se evitar que a propagação do vírus ganhe proporções incontroláveis, ao ponto de criar um caos na saúde pública. Ninguém quer isso.

Mas, nem bem passado os primeiros quatro dias, onde tudo fechou, a sociedade já discute a eficácia das medidas, e parece estar convencida de que isso não é o correto. Bolsonaro é um destes. Ele zomba das medidas.

Ele comparou novamente a covid-19 a uma "gripezinha" ou "resfriadinho" e pediu para prefeitos e governadores "abandonarem o conceito de terra arrasada", que, para ele, inclui o fechamento do comércio "e o confinamento em massa".Chegou ao ponto de dizer que caso ele mesmo fosse contaminado, pegaria uma "gripezinha". Segundo ele, 90% da população não terá qualquer manifestação da doença, caso se contamine. Como ele pode ter essa certeza?;

Na gestão de crise, avaliar e reavaliar as decisões são constantes. Mas também é preciso cautela. O Presidente parece estar desconectado com todas as outras autoridades brasileiras.

Os danos de seu pronunciamento são gravissímos. O papel de um líder é orientar e não gerar dúvidas. O momento é grave, não cabe politizar, mas opor-se aos infectologistas passa dos limites. Sua fala poe em cheque o que seu ministro e as outras autoridades da saúde pública tem feito.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal