Teich prepara diretriz para reduzir isolamento e nega 'crescimento explosivo' da COVID-19. Tem coisas que não batem.


Em posse, Teich defende parcerias entre ministérios, estados e ...

Tem afirmações que não se sustentam. O ministro da saúde Nelson Teich , em sua primeira entrevista coletiva, claramente adotando um alinhamento no discurso imposto por Bolsonaro e sua ala militar, disse que não há um "crescimento explosivo" de casos da COVID-19 no país, o que justificaria um relaxamento nas normas de confinamento.

Na segunda-feira, 20, foram registradas 113 mortes e 1927 novos casos de Covid-19 no Brasil. No dia seguinte, houve 166 mortes e 2.498 mortos. Estados como São Paulo, Amazonas, Pará, Ceará estão com dificuldade para atender os pacientes. Em Manaus o caos já está instalado. O número de mortos triplica a cada dia. Em outros estados, sobretudo na região nordeste os casos continuam aparecendo.

O presidente Bolsonaro disse que 70% da população será infectada. A possível subnotificação de casos e mortes devido à ausência de testes em massa no país pode comprometer a análise da curva de crescimento. Autoridades da saúde reiteradamente afirmam que o pior está por vir, nos meses de maio e junho.

Então, como assim relaxar o isolamento agora?

O governo parece mesmo trabalhar com a ideia de contágio em massa. "Se existe o conceito de que tem que ter 70% da população em contato com a doença para que ela seja imune, e a vacina vai levar talvez um ano, um ano e meio. Entre 2% e 70%, se você não tem um crescimento explosivo da doença, o que não está acontecendo no Brasil, a gente talvez nem chegue nesse número antes da vacina. Isso pode levar um ano, um ano e meio", disse o ministro.

Resumindo: Vamos liberar tudo e torcer para que o sistema de saúde aguente.



Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal