Ainda é muito cedo para relaxar os cuidados de contaminação

Fiscalização interdita bares e casa de eventos, em Curitiba
A pandemia do novo coronavírus deve adiar as atividades convencionais no país por mais tempo do que se espera. As projeções iniciais de que em junho a vida do brasileiro estaria voltando ao normal vêm caindo cada vez mais por terra. Para especialistas em saúde, o país não volta à “vida normal” antes de agosto.

No RS com a chegada do inverno neste sábado, os próximos 30 dias serão determinantes para a manutenção da capacidade de atendimento da rede de saúde pública. O próprio governador Eduardo Leite avisa que baseados no histórico das doenças respiratórias no Estado, será duro ainda as próximas duas ou três semanas. Ou seja: o resto de junho e mais um pedaço de julho. Os gaúchos terão de reforçar a vigilância.

A previsão segue declarações do Ministério da Saúde. Em março, o ministro Luiz Henrique Mandetta havia afirmado que “em agosto ou setembro a gente deve estar voltando [à normalidade], desde que seja construída a imunidade de mais de 50% das pessoas”.

Especialistas afirmam que o ideal seria que 70% da população de cada estado se mantivesse em casa. Isso evitaria que o Brasil sofresse como a Espanha e a Itália, por exemplo, que registraram cerca de 1 mil mortes por dia durante algumas semanas. Nenhuma unidade federativa do Brasil tem mais de 60% das pessoas isoladas.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal