Volume de vinho comercializado cresce 27,8% durante a pandemia

O fechamento de bares e restaurantes, a proibição de grandes eventos como festas e casamentos e a interrupção do turismo por alguns meses por conta da pandemia de Covid-19 atingiu em cheio o comércio mundial de vinho. Em todo o mundo, a previsão é de que a demanda pela bebida caia 10,5% neste ano, apesar da reabertura gradativa em muitos países da Ásia e Europa. O Brasil, porém, parece ser a grande exceção à tendência.

Com um mercado que prospera nos últimos anos, o país atingiu um crescimento de 27,8% no volume de vinho comercializado no primeiro semestre em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com a Ideal Consulting. O aumento foi de 39% no vinho de mesa e 50% no vinho fino.

Em média, cada brasileiro consumiu 2,81 litros da bebida entre abril e junho (justamente o período mais restritivo da quarentena), um aumento de 72% em relação ao primeiro trimestre de 2020 e um recorde na história da indústria nacional.

“O mercado é menos dependente de restaurantes no Brasil do que na Europa e em outros países e mais de 75% da comercialização acontece no supermercado, que continuou aberto”, explica Felipe Galtaroça, CEO da Ideal Consulting, que elegeu o vinho como a bebida do brasileiro durante a pandemia. “O Brasil é um país muito cervejeiro, mas com a pandemia mais pessoas buscaram o prazer da gastronomia mais refinada e em família, que combina muito com vinho”, explica ainda o consultor.

Segundo Galtaroça, o vinho preferido dos brasileiros é o tinto, mas o rosé apresenta um grande crescimento. “O brasileiro tem um paladar mais adocicado e esses vinhos combinam com o clima”, afirma.

As vendas por e-commerce também observaram um crescimento significativo, não só no Brasil como em todo o mundo. Neste semestre as vendas pela internet representaram 12% do mercado brasileiro.

“Com mais tempo em casa, muitas pessoas também passaram a buscar lives, cursos on-line e até a encomendar degustações, o que movimenta o setor”, diz a presidente da Organização Internacional do Vinho (OIV), a brasileira Regina Vanderlinde. “Esperamos que o vinho seja mais incorporado à cultura brasileira no pós-pandemia”.

Com conteúdo da VejaNovo estudo sugere que consumo de vinho pode evitar diabetes ...

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal