Máquinas de sucos naturais se espalham pelos supermercados

O mercado de sucos prontos para beber vem mostrando força no Brasil e a medida em que o consumidor busca produtos mais naturais, com apelo saudável e até mesmo com ingredientes funcionais o sortimento cresce, abrindo um verdadeiro leque de oportunidades tanto para o varejo.

Em 2014 o segmento de sucos naturais representava 5% do total do setor, segundo dados Nielsen. Atualmente essa fatia de mercado aumento e hoje é de 30% em termos de faturamento no comparativo ao setor como um todo.
Nos supermercados, o hábito de fazer seu próprio suco de laranja em uma máquina instalada no meio do ponto de venda começa a crescer. Já são várias redes por todo o Brasil que instalaram máquinas para extração do suco.

A máquina disponível ao varejo brasileiro é a Speed Pro Plus, fabricada pela Zumex, exatamente a mesma que faz sucesso nos supermercados da Espanha. Pelo modelo de negócios, a Alteso compra o equipamento, que é alugado aos supermercados.
 
Mas a parceria entre o fornecedor e o varejo não para por aí: a própria Alteso vende as garrafas pet personalizadas com a logomarca da bandeira do supermercado, de acordo com a demanda – em média são 1,2 mil a 1,3 mil garrafas de suco de laranja por loja ao mês.

A margem para o supermercado é três a quatro vezes maior do que do suco industrializado vendido em gôndola.
 
Na Europa, por exemplo, o suco fresco espremido nas lojas teve aumento de 12% em litros e um crescimento de 15% em termos de valor; números positivos que contrastam com a queda de 4,2% em volume do setor de suco industrializado.

Esses dados mostram que, embora os consumidores continuem demandando sucos, eles os preferem cada vez mais na sua forma mais natural, obtida através de uma experiência de autoatendimento, na qual o usuário é responsável por sua elaboração, segundo dados internos da ZUMEX.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal