Soberania Popular

 


A terça-feira(24) marcou mais um capítulo na história política de Bento Gonçalves. A penalização pecuniária da chapa vencedora da última eleição municipal é injusta. Injusta porque não há irregularidade, não há condicionamento do eleitor. O voto na urna é soberano. A vontade do eleitor é o que vale. O povo elegeu segundo sua livre vontade. Argumentar que o eleitor foi condicionado a votar impactado por noticias sobre obras públicas, sobre cores de uma decoração, sobre atos administrativos decorrentes de programas sociais regulamentados por lei e presentes todos os anos no orçamento municipal é algo muito vago, sem fundamento e que significa dizer que o eleitor é burro. Sim burro, porque duvido que algum eleitor não tenha discernimento suficiente para saber em quem votar, ou para saber o que é bom, qual a melhor proposta, projeto e programa de governo. A gente segue o trabalho, muitas vezes, como é meu caso, discreto, sem grandes publicidades, fotos, publicações nas redes sociais, porque acredito que o trabalho enquanto servidor público deve ser eficiente, necessário e resolutivo. Não precisa de holofotes, precisa simplesmente acontecer. Na última eleição tivemos a prova de que “só não vale perder”, pois a todo custo os candidatos permanecem na trincheira do combate. Então para aqueles que ainda acham que o voto na urna não vale nada, lembro do pensador que diz:  O homem médio inveja e odeia aqueles que são diferentes. 


Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal