Pular para o conteúdo principal

As maiores redes de varejo do país projetam abrir 2.300 novas lojas em 2018

Resultado de imagem para redes de varejo carrefour
As maiores redes de varejo do país projetam abrir 2.300 novas lojas em 2018, a maior parte adaptada à nova realidade dos brasileiros. Serão pontos de vendas menores, ancoradas em sistema de gestão com custos inferiores aos tradicionais, e que comercializam produtos mais em conta. De acordo com especialistas, essa nova fase de expansão é generalizada em todos os setores do varejo. As informações são da Folha.

Um dos destaques está no varejo alimentar. Desde o início da crise, o modelo de loja que mais cresce é o chamado atacarejo, mistura de atacado com varejo, cuja estrutura de baixo custo permite a venda de produtos mais baratos.

O Atacadão, do grupo Carrefour, por exemplo, ganhará mais 20 endereços neste ano, o dobro do que a rede costumava abrir por ano desde a compra da marca, em 2007. Além dessas unidades, serão abertas outras 20 lojas menores Carrefour Express e outras 10 de um novo modelo, chamado Market, maior que um comércio de bairro, menor que uma grande loja. Ao todo, o investimento da rede em expansão será de R$ 1,8 bilhão, mesmo valor desembolsado em 2017 para a melhoria das grandes lojas do Carrefour, processo ainda em curso.

O empresário Junior Durski, dono dos restaurantes Madero, também está investindo em novas frentes de negócios. Parte dos R$ 95 milhões previstos para inaugurações no ano será direcionada para três novas marcas da rede -hamburgueria Dundee, a lanchonete Sanduicheria do Junior Durski e a Vó Maria Durski, que terá apenas filé à parmegiana no cardápio. Menores e menos custosos, todos os pontos foram criados para atrair consumidores de praças de alimentação de shoppings. O faturamento virá, espera Durski, do volume maior de clientes. Para os lançamentos, a rede prevê a abertura de 9 pontos comerciais, além dos 29 novos restaurantes Madero e das 12 hamburguerias Jerônimo, marca lançada no final do ano passado.

O dinheiro para a expansão da rede veio do esforço em cortar custos nos três últimos anos. Do pão à sobremesa, o grupo fabrica tudo que serve nos restaurantes.

A rede de franquias de óculos Chilli Beans também aproveitou o momento para investir em lojas menores e mais baratas. Com elas, a intenção é atender cidades de até 150 mil habitantes, locais com alto potencial de consumo, segundo a empresa. Boa parte das 80 inaugurações previstas para o ano são desse formato, que custa para o franqueado inicialmente R$ 160 mil contra os R$ 220 mil necessários para abrir um ponto convencional da marca.

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp