Pular para o conteúdo principal

Consultora dá dicas para candidatos moldarem o discurso e a linguagem corporal.

Olga Curado já usou seu treinamento à base de aikidô (arte marcial japonesa) com os petistas Lula e Dilma Rousseff e o tucano Aécio Neves.

Na eleição de 2018, dará o golpe de mestre o concorrente que transmitir moderação na fala e no gestual e exibir vigor, crê a consultora de imagem, experiente em ajudar candidatos a moldarem o discurso e a linguagem corporal.

"Não vai ser ninguém que fale acima do tom. As pessoas não aguentam mais essa gritaria", afirma a jornalista, que há 15 anos auxilia políticos em campanha, executivos e empresas encalacrados em crises de imagem –um trabalho que ela resume como "aprender a tomar decisão em tempos difíceis".

"Todo mundo encheu o saco de briga, ninguém quer radicalização", diz a goiana, que assessorou Dilma em 2010 e Aécio em 2014. "Agora vai ser alguém com perfil conciliador. Não à toa estão todos [pré-candidatos] falando isso."

Os requisitos afastariam o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE) de um resultado positivo na eleição. Bolsonaro foi atendido pela consultora em São Paulo, há cerca de um ano.

Por sigilo contratual, ela não fala sobre a clientela.

Vitalidade, outro atributo que a guru vê como determinante, exclui do páreo Marina Silva. "Não transmite isso, nem na voz nem na figura."

A energia é necessária, mas não deve significar "vitalidade agressiva", avalia. "Tem que ser sereno, mas com coragem pessoal para colocar na mesa o radical do MST e o mercado financeiro."

João Doria (PSDB), outro nome ventilado para o pleito, é "habilidoso comunicador, com senso de oportunidade", afirma Olga. Mas, na opinião dela, faltam ao prefeito de São Paulo "habilidades humanas, no sentido da empatia."

Quem, então, reuniria as características capazes de conquistar o eleitor em 2018?
"Não consigo enxergar!", diz ela, rindo. "Não espero salvador da pátria. Então talvez esses que estão postos consigam demonstrar. Queremos não homens privados, mas homens públicos. Não sei onde estão, mas que têm, têm."

Sua esperança é que o eleitor gaste tempo para se informar. Um dos benefícios da Lava Jato, diz, foi "nos ensinar a ser menos crédulos e reverentes com os políticos".

O submundo escancarado pelas investigações deixou os eleitores escandalizados e será rejeitado nas urnas, acredita a jornalista. "Já tropecei com um bando que tinha um compromisso tão claro com a fruição do poder que passava muita segurança. O bandido pode conseguir ser muito convincente se ele não tem problema em ser bandido."

Nos meses que antecedem as campanhas, o telefone de Olga toca mais vezes. "[Desesperados] vêm sim, mas para alguns talvez eu não tenha tempo, né? A agenda é complicada...", afirma, sorrindo de canto de boca.

Henrique Meirelles procurou Olga Curado para ajudá-lo na campanha presidencial. As informações são da Folha.


Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.