Pular para o conteúdo principal

Alckmin tem pontuação baixa nos maiores redutos do PSDB: São Paulo e Minas

Para ir ao segundo turno e evitar a vota do PT ao poder, Geraldo Alckmin (PSDB), o único que pode derrotar o PT terá que crescer rapidamente em São Paulo e Minas Gerais. 

Alckmin tem pontuação baixa nos dois maiores colégios eleitorais, seu voto é pouco consistente e o maior adversário, Jair Bolsonaro (PSL), tem apoios cada vez mais cristalizados entre paulistas e mineiros.

Os Estados de São Paulo e de Minas Gerais são redutos históricos do PSDB. A expectativa tucana era a de que o partido pudesse ter vitórias nas disputas pelos governos locais e para presidente nessas localidades.

ão Paulo é o Estado natal de Alckmin. Tem 33.040.411 eleitores. Isso equivale a 22,4% do total do país. O PSDB governou o Estado por mais de 20 anos. Além disso, tem 1 candidato competitivo concorrendo ao Palácio dos Bandeirantes, João Doria.

O Estado de Minas Gerais já foi comandado algumas vezes pelo PSDB. Tem 15.700.966 eleitores (10,7% do Brasil). O favorito nesta disputa para ganhar o Palácio da Liberdade é o tucano Antonio Anastasia.

Juntos, os eleitorados paulista e mineiro equivalem a 33,1% dos brasileiros que vão escolher o próximo presidente da República. Em teoria, esse terreno seria muito favorável para Geraldo Alckmin –que não tem ido bem no Nordeste nem no Sul, outras regiões com grandes eleitorados.

A última pesquisa do Datafolha mostrou crescimento de Fernando Haddad (PT). O risco do PT voltar ao poder em 2019 é grande. Pois num eventual segundo turno entre Haddad e Bolsonaro, o poste de Lula ganharia a eleição.

O que torna o cenário mais complicado para Geraldo Alckmin é que, entre paulistas, 85% dos que dizem apoiar Jair Bolsonaro declaram que não pretendem mais mudar de posição até o dia da eleição. Essa taxa é de 62% entre mineiros.

Já os eleitores de Alckmin são bem mais volúveis. Só 26% dos simpatizantes do tucano em Minas Gerais afirmam já ter tomado a decisão de votar nele de maneira definitiva. Em São Paulo, a taxa é maior, de 57% –mas ainda bem distante dos 85% cristalizados de Bolsonaro.

É hora dos caciques do PSDB entrarem em campo para sensibilizar a militância em "carregar" Alckmin junto das demais candidaturas .

Quando se faz os cruzamentos do eleitorado dos candidatos ao governo Doria, em São Paulo e de Anastasia em Minas, com as preferências para presidente há muita perda de voto.

Antonio Anastasia lidera a corrida pelo governo mineiro com 31%. Desses, 34% afirmam votar em Jair Bolsonaro para presidente. Mas apenas 18% dos apoiadores de Anastasia dizem que escolherão Alckmin em 7 de outubro.

A situação é também desalentadora para o tucano em São Paulo. João Doria tem 21% das intenções de voto para governador, mas 29% desses eleitores afirmam votar em Bolsonaro. Só 21% dos apoiadores de Doria escolhem Alckmin como candidato a presidente.


É tudo ou nada. Para virar a eleição Alckmin precisa crescer em São Paulo e Minas e tratar de tirar votos de Bolsonaro mesmo na situação em que ele está, internado no hospital.


Com informações do Datapoder.








Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.