Pular para o conteúdo principal

Hacker revela que Manuela intermediou contato com Glenn do Intercept

Imagem relacionada
Hacker confesso, Walter Delgatti Neto, também conhecido como “Vermelho”, revelou em depoimento à Polícia Federal o caminho que percorreu para descobrir os contatos telefônicos das autoridades públicas que foram hackeadas, segundo as investigações da Operação Spoofing. As informações são da GloboNews.

O modus operandi era sempre o mesmo, segundo ele. Tudo começa a partir de uma ligação ao número de telefone celular das vítimas em que tem acesso ao correio de voz. É por meio de uma mensagem no correio de voz que ele conseguia obter o código de acesso às contas do aplicativo Telegram das pessoas hackeadas.

Delgatti disse que o primeiro telefone que invadiu foi o do promotor Marcelo Zanin Bombardi, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público de São Paulo (Gaeco). Bombardi foi o responsável pelo oferecimento de uma denúncia à Justiça contra Vermelho por tráfico de drogas relacionado a medicamentos que foram apreendidos em sua casa durante uma batida policial.

A partir da agenda do Telegram do promotor, Vermelho descobriu um grupo denominado "Valoriza MPF", onde teve acesso aos números de José Roberto Robalinho, ex-presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, e de outros procuradores, e posteriormente ao telefone do deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP). A cada agenda acessada, mais e mais contatos eram descobertos pelo hacker.

A partir da agenda de Kim, Delgatti entrou na conta do Telegram do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, que foi ministro da Justiça e secretário de Segurança Pública do estado de São Paulo, e depois do ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Este tinha em sua agenda os números de celular de procuradores da Operação Lava Jato, como Deltan Dallagnol. A partir desse ponto, o acusado descobriu o número do ministro da Justiça, Sergio Moro, e de outros magistrados.

Delgatti afirmou que verificou nas conversas da Lava Jato que ele acessou supostas irregularidades e que, por isso, decidiu divulgá-las de forma anônima ao jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil, por saber da atuação dele no caso Eduard Snowden. Que obteve o contato do jornalista com auxílio da ex-deputada Manuela D'Ávila (PCdoB-RS), cujo contato já havia sido obtido a partir da agenda da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), que por sua vez foi extraído da agenda do ex-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (MDB).

Delgatti disse que ligou para Manuela no Dia das Mães deste ano afirmando que tinha acessado conteúdos comprometedores da Lava Jato e queria repassá-los a Greenwald. O hacker teria percebido que ela estava acreditando na história e, por isso, enviou a ela uma gravação de áudios de dois procuradores. No mesmo dia, ele recebeu uma mensagem via Telegram do jornalista.

O hacker disse que não recebeu qualquer vantagem financeira ao divulgar as conversas a Greenwald e que não fez nenhuma edição do conteúdo. Vermelho está preso desde a terça-feira (23), em Brasília, por ordem do juiz federal Vallisney Oliveira. ( Com conteúdo da Gazeta do Povo).

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Passou no Senado e agora foi para a Câmara Federal o projeto que proíbe que companhias aéreas cobrem pela marcação antecipada de assento em aeronaves. O conteúdo da matéria foi exposto pelo senador Jorge Viana (PT-AC) durante a Ordem do Dia. Ele afirmou que a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), responsável pelo setor, estava despreocupada com a cobrança. A proposta, de autoria do senador Reguffe (sem partido-DF), foi aprovada em votação simbólica. Se for aprovado pelos deputados e sancionado pela Presidência, será obrigatória a marcação gratuita. Caso a regra não seja cumprida, uma cobrança de multa será realizada. Neste ano, as companhias aéreas Gol, Latam e Azul Linhas Aéreas decidiram cobrar pelo assento. Pelos preços estabelecidos pelas empresas, o serviço chegará a custar R$ 25 para o consumidor.