Pular para o conteúdo principal

Cresce a mobilização pelo prolongamento da 448 em Portão

Resultado de imagem para prolongamento 448
Neste sábado, 14, na RS-240 lideranças empresariais, políticas e as comunidades da Serra Gaúcha, Vales dos Sinos, Vale do Caí e Região Metropolitana, realizaram a manifestação pela extensão de 18,7 KM da BR-448. Denominado “Juntos pela BR-448”, o encontro teve como objetivo reafirmar o compromisso com o desenvolvimento, as melhorias das condições de logística e, principalmente, com a preservação de vidas no Rio Grande do Sul.

A mobilização reuniu os Deputados Federal, Lucas Redecker, Ronaldo Santini, Dionilso Marcon e Estadual Issur Koch das Frentes Parlamentares para extensão da BR-448, Presidente da Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste (AMESNE) e Prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin, de Portão José Renato, de Garibaldi, Antônio Cettolin e de Boa Vista do Sul, Aloisio Rizzi. Da CICs Portão, Dary Pisetti, da CICs Serra, Edson Morello, secretários Municipais, diretor da Expobento 2020, Gilberto Durante e diretoria do CIC-BG. Além de representantes do Associação dos Municípios do Vale do Caí, da Associação dos Municípios do Vale do Rio dos Sinos, Parlamento Regional, MOBI CAXIAS, CISGA, G30 SERRA, COREDE SERRA, CICS CAXIAS, CICS FARROUPILHA, CICS BENTO, Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Novo Hamburgo, Campo Bom e Estância Velha, Fiergs, Fecomércio/RS e Federasul.

Presidente da Frente Parlamentar em Apoio à continuidade da rodovia, na Assembleia Legislativa, o deputado Issur Koch destacou que “o prolongamento da BR-448 até Portão deixou de ser uma pauta do Vale do Caí para se transformar em uma pauta estadual e nacional. O Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) já foi entregue ao DNIT, mas é fundamental que reafirmemos nosso apoio à rodovia, que é uma necessidade urgente para o Estado”, disse.

O Deputado Federal, Lucas Redecker completou dizendo que o EVTEA deverá ser entregue no primeiro semestre de 2020. “Sem termos o estudo não vamos a lugar algum. Ele é uma etapa fundamental para execução do projeto, para que possamos tirar a obra do papel, seja com recursos da união ou concessões”, disse.

De acordo com estudos até 2022, se não for realizada a extensão pleiteada serão registrados mais de 83 acidentes com mortes,1.705 acidentes com feridos e 3.163 acidentes sem vítimas.
Publicidade

“Precisamos trabalhar unidos para dar subsídios aos coordenadores das Frentes Parlamentares, de informações, mobilizações e estrutura para que eles possam defender este pleito importante. Criamos uma condição de trabalho, execução e sucesso. O Juntos pela 448 é uma mobilização que, iniciando pela serra e se juntando com as demais regiões, que era preciso eleger uma pauta especifica. Entendemos, que a 448 garante a condição de desenvolvimento e progresso do Estado”, ressaltou o Presidente da Amesne e Prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin.

No dia 05 de dezembro, durante a LV Cúpula do Mercosul, Pasin entregou o documento com a solicitação da pauta ao Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

Durante o encontro foi dado início ao abaixo-assinado que será encaminhado para assinaturas em todos Municípios solicitando o prolongamento da estrada. ( Fonte: NH).

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp