Pular para o conteúdo principal

Os tentáculos da Hidra de Lerna brasileira

Religião e política, cabeças cortadas e Estado religioso ...
Por Angelo Castello Branco 
Conta-nos a Mitologia que a Hidra de Lerna era um bicho difícil de se entender. Tinha muitas cabeças em forma de serpentes. Quando cortavam uma, outras duas surgiam no seu lugar e ele ficava mais perigoso. Com sabedoria e perseverança, Hércules derrotou o monstro e o cadastrou nos arquivos de suas memoráveis façanhas. Dizem os gregos, e quem somos nós para duvidar.
Para se entender o governo de Bolsonaro há que se decifrar não apenas uma, mas quatro cabeças. A dele e a de seus três filhos políticos. Desde que assumiu a presidência da República, o chefe da nação viu-se envolvido em repetidas crises e, em todas elas, lá estavam os tentáculos da hidra brasileira. Decifrar tudo isso é tarefa de algoritmos. Parece que as cabeças são reagentes a espécies que, de uma forma ou de outra, possam ganhar notoriedade na convivência com o poder. Porém, não há provas científicas que comprovem essa tese.
O Brasil não acabou. Sem Sérgio Moro e sem Henrique Mandetta o governo ganha a cara exclusiva do presidente Jair Bolsonaro. O tiroteio de denúncias e intrigas contra a Hidra aninhada no palácio do Planalto avolumou-se nas últimas 48 horas e as balas vão ricochetear em gabinetes do poder Judiciário, em escritórios de juristas e no parlamento. Bolsonaro está tomando suas precauções. Já esteve com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Tóffoli, e vem conversando com o grupo do famoso centrão da câmara dos deputados. O primeiro responde pela pauta do Judiciário e o segundo dispõe de votos suficientes para engavetar iniciativas de impeachment. Isso tem um preço. Embora a história revele muitas traições.
Bolsonaro sai de casa na manhã desta segunda-feira, conversa com apoiadores que aplaudem, troca farpas com os plantonistas da imprensa e segue para o gabinete pensando o que dizer na posse do novo ministro da Justiça, como vai responder às acusações de Sergio Moro, como tratar da grave questão da pandemia e como conter as outras cabeças da Hidra antes que elas devorem mais ministros do seu governo ou sejam abatidas como conta a mitologia. Afinal, sempre há tempo de se mudar a história.

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Está faltando matéria prima para as indústrias moveleiras produzirem

A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) emitiram comunicado conjunto acerca do desabastecimento de painéis de madeira para indústrias e marcenarias. A pandemia provocou paralisação do consumo doméstico da matéria prima, fazendo com que as fornecedoras buscassem o mercado externo. No entanto, com a reabertura do comércio, o ritmo de produção das indústrias de móveis brasileiras cresceu rapidamente. Resultado: Desabastecimento interno. Alta nos preços. Está faltando chapa de MDF e MDP para atender a demanda nacional. A penas no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019, a exportação do MDP cru para a China registrou aumento de 700% e caso muito semelhante ocorreu com os EUA, com alta de mais de 600%. Eis a nota: A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), que representa a indústria de chapas de painéis, em atenção às manifestações de in