Pular para o conteúdo principal

Como o coronavírus se espalha no ar: o que dizem os estudos

Deu no Corriere Della Serra ( IT)

A Organização Mundial da Saúde está levando a sério os mais recentes estudos científicos sobre a disseminação do coronavírus no ar e disse que está pronta para revisar as diretrizes sobre máscaras. David Heymann, chefe do grupo de trabalho da OMS, disse à BBC que "estamos estudando as mais recentes evidências científicas e novas pesquisas podem levar a uma mudança nas diretrizes das máscaras". Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) nos Estados Unidos também estão pressionando para estender o uso de máscaras para toda a população e o Presidente Trump deve aceitar as sugestões, pelo menos para o Estado de Nova York fortemente afetada pela epidemia.

O estudo a que a OMS se refere e que está mobilizando todas as autoridades de saúde do mundo é o liderado por Lydia Bourouiba, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts MIT, em Cambridge. A pesquisa investigou a velocidade, a permanência no ar e a distância percorrida pelas gotículas de saliva emitidas por pacientes que podem transmitir doenças invectivas, como o atual COVID-19. 

Descobriu-se que um espirro cria uma nuvem de ambas as gotículas que podem subir até 8 metros. Gotas emitidas com espirros e tosse de pessoas infectadas podem viajar até dois metros e cair por gravidade. O aerossol, que são gotículas menores, pode, no entanto, permanecer suspenso no ar e alcançar distâncias maiores, conforme esclareceu este estudo. "No entanto, não criamos muita agitação", alerta o virologista Fabrizio Pregliasco  "porque é verdade que os estudos indicam um maior potencial de dispersão ambiental, mas sempre falamos sobre ambientes fechados e ambientes hospitalares. No exterior não há perigos".

Nos últimos dias, houve muita conversa sobre pesquisas publicadas no New England Journal of Medicine que, além de analisar a permanência do vírus em superfícies individuais, concluíram que o vírus pode resistir em aerossóis por até três horas, mesmo que sua quantidade seja reduzida pela metade após hora. Isso pode ter implicações práticas, pois o vírus pode se acumular em salas fechadas e lotadas, onde a troca de ar é difícil (como elevadores, por isso é recomendável subir um de cada vez). Deve-se dizer que, neste estudo experimental, os aerossóis foram gerados usando um nebulizador em condições controladas de laboratório, o que, portanto, não corresponde a uma situação real.

A difusão de aerossol é muito mais provável em circunstâncias e contextos específicos nos quais são realizados procedimentos ou tratamentos de geração de gotículas de suporte: ou seja, intubação endotraqueal, broncoscopia, aspiração aberta, administração de tratamento nebulizado, ventilação manual antes da intubação, desconexão do paciente do ventilador, ventilação com pressão positiva não invasiva, traqueostomia e ressuscitação cardiopulmonar. Portanto, no hospital, há muitos pacientes em ventilação mecânica: não com respiração normal, mas com a produção de máquinas. Sem mudanças adequadas de ar, os quartos podem ficar saturados com ar infectado.

A permanência no ar do vírus não deve, no entanto, nos distrair do principal método de transmissão do vírus, que é o das gotículas emitidas pelas pessoas infectadas com as quais entramos em contato próximo com o contato prolongado e, em menor grau, pelas superfícies contaminadas. , é por isso que é sempre recomendável lavar as mãos com frequência e não colocá-las no rosto e na boca, o que pode ser uma porta de contágio, se não for lavada. Além disso, todos os especialistas lembram que as máscaras cirúrgicas correm o risco de fornecer uma falsa segurança: "Elas podem fazer você se sentir invulnerável, capaz de ir a qualquer lugar. Certamente são muito úteis onde você não pode garantir o medidor de distância e, quando você pode sair gradualmente da máscara, ajudará a garantir que muitos pacientes assintomáticos não infectem os outros ", esclarece o virologista Fabrizio Pregliasco.

Covid- 19: SES orienta sobre o uso das máscaras descartáveis ...

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.