Como o coronavírus se espalha no ar: o que dizem os estudos

Deu no Corriere Della Serra ( IT)

A Organização Mundial da Saúde está levando a sério os mais recentes estudos científicos sobre a disseminação do coronavírus no ar e disse que está pronta para revisar as diretrizes sobre máscaras. David Heymann, chefe do grupo de trabalho da OMS, disse à BBC que "estamos estudando as mais recentes evidências científicas e novas pesquisas podem levar a uma mudança nas diretrizes das máscaras". Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) nos Estados Unidos também estão pressionando para estender o uso de máscaras para toda a população e o Presidente Trump deve aceitar as sugestões, pelo menos para o Estado de Nova York fortemente afetada pela epidemia.

O estudo a que a OMS se refere e que está mobilizando todas as autoridades de saúde do mundo é o liderado por Lydia Bourouiba, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts MIT, em Cambridge. A pesquisa investigou a velocidade, a permanência no ar e a distância percorrida pelas gotículas de saliva emitidas por pacientes que podem transmitir doenças invectivas, como o atual COVID-19. 

Descobriu-se que um espirro cria uma nuvem de ambas as gotículas que podem subir até 8 metros. Gotas emitidas com espirros e tosse de pessoas infectadas podem viajar até dois metros e cair por gravidade. O aerossol, que são gotículas menores, pode, no entanto, permanecer suspenso no ar e alcançar distâncias maiores, conforme esclareceu este estudo. "No entanto, não criamos muita agitação", alerta o virologista Fabrizio Pregliasco  "porque é verdade que os estudos indicam um maior potencial de dispersão ambiental, mas sempre falamos sobre ambientes fechados e ambientes hospitalares. No exterior não há perigos".

Nos últimos dias, houve muita conversa sobre pesquisas publicadas no New England Journal of Medicine que, além de analisar a permanência do vírus em superfícies individuais, concluíram que o vírus pode resistir em aerossóis por até três horas, mesmo que sua quantidade seja reduzida pela metade após hora. Isso pode ter implicações práticas, pois o vírus pode se acumular em salas fechadas e lotadas, onde a troca de ar é difícil (como elevadores, por isso é recomendável subir um de cada vez). Deve-se dizer que, neste estudo experimental, os aerossóis foram gerados usando um nebulizador em condições controladas de laboratório, o que, portanto, não corresponde a uma situação real.

A difusão de aerossol é muito mais provável em circunstâncias e contextos específicos nos quais são realizados procedimentos ou tratamentos de geração de gotículas de suporte: ou seja, intubação endotraqueal, broncoscopia, aspiração aberta, administração de tratamento nebulizado, ventilação manual antes da intubação, desconexão do paciente do ventilador, ventilação com pressão positiva não invasiva, traqueostomia e ressuscitação cardiopulmonar. Portanto, no hospital, há muitos pacientes em ventilação mecânica: não com respiração normal, mas com a produção de máquinas. Sem mudanças adequadas de ar, os quartos podem ficar saturados com ar infectado.

A permanência no ar do vírus não deve, no entanto, nos distrair do principal método de transmissão do vírus, que é o das gotículas emitidas pelas pessoas infectadas com as quais entramos em contato próximo com o contato prolongado e, em menor grau, pelas superfícies contaminadas. , é por isso que é sempre recomendável lavar as mãos com frequência e não colocá-las no rosto e na boca, o que pode ser uma porta de contágio, se não for lavada. Além disso, todos os especialistas lembram que as máscaras cirúrgicas correm o risco de fornecer uma falsa segurança: "Elas podem fazer você se sentir invulnerável, capaz de ir a qualquer lugar. Certamente são muito úteis onde você não pode garantir o medidor de distância e, quando você pode sair gradualmente da máscara, ajudará a garantir que muitos pacientes assintomáticos não infectem os outros ", esclarece o virologista Fabrizio Pregliasco.

Covid- 19: SES orienta sobre o uso das máscaras descartáveis ...

POSTAGENS MAIS VISITADAS