Pular para o conteúdo principal

Testagem em pool pode ser uma alternativa para testar mais pessoas e rapidamente

Ministério da Saúde quer conjunto de laboratórios para analisar ...
Diante da escassez de material necessário para realizar diagnósticos para a Covid-19, cientistas estão propondo a adoção de uma nova estrategia para testar mais pessoas e de forma mais rápida: misturar amostras de pacientes e submetê-las juntas ao teste que detecta o material genético do vírus.

Chamada de pooling (do inglês "agrupamento"), a técnica já foi usada no passado em pesquisas para processar grandes quantidades de exames de gripe, HIV e hepatite. Pesquisadores nos EUA, Israel e Chile usaram a técnica com o novo coronavírus em experimentos agora, e relatam que a estratégia dá certo. No Brasil, Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) já fez algumas provas e afirma que, em certas condições, a ideia pode ser útil.

A técnica consiste em testar grupos de pessoas. São coletadas duas amostras de secreção do nariz ou garganta de cada um. Uma vai para um tubo individual, outra para um tubo coletivo que junta amostras de todos do grupo - e este é o primeiro a ser analisado. O teste é do tipo RT-PCR, indicado pela Organização Mundial da Saúde, pela precisão. Ele mostra se a pessoa está infectada no momento do teste.

Caso o teste sobre o pool dê resultado negativo, isso indica que todas as amostras são provavelmente negativas;  Caso o teste sobre o pool dê resultado positivo, isso indica que pelo menos uma das amostras contém o vírus, sendo então necessário executar a testagem de cada um dos pacientes separadamente para a identificação daquele ou daqueles que se encontram infectados.

Em Santa Catarina, empresas estão adotando testagem em grupo para permitir o retorno de funcionários às atividades.

Especialistas dizem que a testagem pool é usada na imunologia e tem a vantagem de demandar menos insumos num período em que o mundo todo procura por testes. O custo cai para 20 a 25% do preço do teste, e a velocidade de testagem aumenta também. É possível dar resposta em 24 horas, fazendo 20 mil testes por dia, por exemplo.

Para monitorar a situação dos grupos, os testes normalmente devem ser repetidos a cada 15 dias.

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.